PENACOVA – Município cria Rota dos Moinhos para atrair turistas e investidores

1
2

A Câmara de Penacova vai criar uma Rota de Moinhos, desafiando os turistas a visitar os mais de 50 moinhos existentes no concelho. Na Serra da Atalhada, onde é possível pernoitar, tem havido uma taxa de ocupação na ordem dos 100%.

Ao todo, são quatro núcleos/grupos de moinhos no concelho: Serra da Atalhada (18 moinhos), Serra da Portela de Oliveira (outros 18), Gavinhos (15) e Serra do Lorvão, que compreende Aveleira e Roxo, que terá seis a sete moinhos.

O núcleo mais adiantado encontra-se na Serra da Atalhada, onde apenas existem dois em ruínas. Na Atalhada há um grupo de moinhos na posse de particulares, usados para casas de fim-de-semana. Da competência da autarquia há quatro alojamentos, concessionados a um grupo turístico. “Ao fim-de-semana a taxa de ocupação chega a atingir os 100%”, revela o presidente da Câmara Municipal de Penacova, Humberto Oliveira, que apenas lamenta o escasso número de moinhos à disposição dos visitantes. Com designações como “Moinho do Moleiro” ou “Moinho de Farinha”, os alojamentos da Serra da Atalhada têm, no interior, uma “kitschnette”, uma casa de banho (em baixo) e um quarto, equipado com roupeiro e televisão, em cima. “É a disposição habitual para estes moinhos”, conta Luís Rodrigues, dos serviços de Turismo da Autarquia de Penacova.

Noutro núcleo, na Serra da Portela de Oliveira, há ainda muitas ruínas, sendo que algumas delas são propriedade do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR). “Há contactos com a Direcção Regional de Cultura do Centro para vermos, em colaboração com o IGESPAR, a possibilidade de haver alguma dinâmica nesses espaços”, explica  a vereadora da Cultura e Associativismo da Autarquia, Fernanda Veiga. Em Gavinhos há ainda moinhos dedicados à farinação, com o Sr. Lino (moleiro da zona) a pô-los a trabalhar. Fernanda Veiga entende que o núcleo de Gavinhos é importante para captar a área de visita, enquanto os outros pontos servem mais como dormida. “Na Portela de Oliveira vamos continuar a nossa intervenção, para que possam servir de apoio turístico”, defende.

O projecto de criação da Rota dos Moinhos deverá estar concluído dentro de quatro a cinco anos, com Humberto Oliveira a referir o interesse de muitos parceiros, públicos e privados, na intervenção a ser feita. “São precisos investimentos ao nível da recuperação de moinhos. O espaço exterior também carece de melhorias, e há que fazer um enquadramento entre os núcleos, com pontes de ligação pedonais”, conclui.


João Pedro Campos

1 COMENTÁRIO

  1. Estes moinhos são de vento, mas há também um património imenso de moinhos de água no concelho, nas suas variantes de azenhas de propulsão superior ou inferor e rodízios, que seria bom não esquecer e valorizar. Povoando as margens das nossas ribeiras eles proporcionariam magnícas rotas para passeios pedestres em caminhos de moleiro, no mais íntimo da natureza. Para quando a sua valorização?