BE quer explicações sobre remoção de árvores com Nemátode da Madeira do Pinheiro

0
1
A doença do nemátode da madeira do pinheiro (Bursaphelenchus xylophilus) constitui uma séria ameaça aos ecossistemas florestais europeus, possivelmente a pior do século XXI.
O rápido alastramento do nemátode, potenciado pela postura de ovos do insecto-vector (Monochamus galloprovincialis) em árvores mortas ou enfraquecidas pelo nemátode, obriga a que sejam tomadas medidas imediatas de controlo eficaz, de forma a evitar impactes ao nível dos ecossistemas florestais, económicos e sociais. Toda a área de Portugal Continental terá já sido considerada como afectada, verificando-se fortes condicionamentos à exportação de madeira portuguesa para outros países.

Em Agosto de 2009 a Autoridade Florestal Nacional (AFN) anunciou que só iria realizar uma intervenção no Perímetro Florestal do Buçaco, que se encontra gravemente afectada com a presença de pinheiros bravos infectados com nemátode, “em tempo oportuno”. Na altura informou, e bem, que a remoção das árvores infectadas não poderia ser feita durante nem logo após o período de vôo do insecto vector, ou seja, entre Abril e Outubro, já que só depois do fim deste período é que seria possível distinguir a maioria das árvores infectadas.

Esperar-se-ia por isso que a remoção de árvores no fim de Janeiro de 2010, já estivesse a ser efectuada. No entanto a Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente (ANEFA) e a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) denunciaram que a AFN ainda não iniciou a remoção necessária de pinheiros visivelmente infectados, tanto na zona do Buçaco como no Pinhal de Leiria, potenciando assim o alastramento desta doença gravíssima a Norte do Tejo, onde se concentra a produção nacional de pinheiro bravo, caso a remoção não esteja concluída até fim de Março. Assim, o Bloco de Esquerda questiona o Governo, através do Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, sobre se tem o Ministério conhecimento da gravidade da situação que vai ser gerada pela ausência de acções de remoção de pinheiros infectados? Considera este Ministério satisfatória a concretização da estratégia de remoção de pinheiros infectados com nemátode?

Que acções de remoção de pinheiros em zonas afectadas por nemátode foram realizadas desde Outubro de 2009 até agora? Que acções de remoção estão previstas até Março? Que medidas de urgência vai o Ministério tomar para que a remoção de pinheiros em áreas infectadas seja efectuada de forma expedita até final de Março, de modo a procurar controlar a rápida expansão da doença? Veja aqui as perguntas ao Governo.
I
originalmente pulicada em Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda