Associação de Pais promove observação de orquídeas silvestres

0
2
A Associação de Pais e Encarregados de Educação de Penacova está a promover uma palestra e uma saída de campo para observação de orquídeas silvestres.
Esta ação é dinamizada pelo Dr. José Alfredo Brites Monteiro, Professor da Escola dos nossos filhos e especialista nesta matéria, que na 6ª feira, dia 20 de Abril fará uma palestra no Centro Cultural de Penacova, com mostra de espécies e no dia seguinte – Sábado, dia 21 de Abril – conduzirá na saída de campo pelo Maciço Calcário de Sicó, para a observação das espécies no seu meio natural.
Estão todo/as convidados, quer sejam encarregados de educação, professores, alunos, amigos das flores e da natureza ou simples curiosos e que tenham gosto em aprender.
Inscrições para a saída de campo

  • Pela Associação de Pais, através de:

Ana Rita Martins, telef. 910070474; Sónia Batista, telef. 912101207; Ana Maria Costa, telef. 925700380; Teresa Santos, telef. 912265706; Eduardo Ferreira, telef. 919631053, ou por qualquer dos outros contactos da Associação, disponíveis no site do Agrupamento de Escolas de Penacova.

  • No Agrupamento de Escolas de Penacova, telef. 239 470 190
  • No Posto de Turismo da Câmara Municipal de Penacova, telef. 239 470 300.

Preços:

  • Palestra do dia 20, no Centro Cultural de Penacova, gratuito;
  • Saída de Campo, dia 21, conduzida pelo Prof. José Monteiro, pela zona envolvente do Maciço Calcário de Sicó – despesa do transporte dividida por todos, que rondará os 6,00€;
  • A saída de campo inicia-se às 9h00 em Penacova, com passagem por Conímbriga – Fonte Coberta – Rabaçal – Alvorge – Outeiro – Ansião (almoço) – Carvalhal (Ansião) – Ramalhais (Pombal) – Ereiras (Pombal) – Conímbriga e regresso a Penacova.

Basta que goste de andar e se faça acompanhar de uma máquina fotográfica para registar os tesouros botânicos que se vão encontrando por esses campos e serras. Fica garantido um dia memorável.

  
À descoberta de orquídeas silvestres
A família das orquidáceas portuguesas é composta por cerca de setenta espécies, incluindo híbridos e variantes morfológicas, algumas das quais endémicas, apenas observadas nas ilhas dos arquipélagos dos Açores e da Madeira.
Em Portugal, existem 16 géneros, sendo os mais representativos: Dactylorhiza, Epipactis, Ophrys, Orchis e Serapias.
A destruição do seu habitat é a sua maior ameaça, pelo que urge preservar os espaços naturais ou semi-naturais que ainda subsistem. Algumas das espécies encontram-se seriamente ameaçadas de extinção, entre outras, Cephalanthera rubra, Dactylorhiza insulares, Epipactis phyllanthes, Gymnadenia conopsea, Ophrys apifera variantes bicolor e Sicoensis, Ophrys incubacea, Orchis laxiflora, Orchis morio subsp. picta, Orchis provincialis, Orchis ustulata (observada pela 1ª vez em Portugal em Maio de 2010), Platanthera bifolia, Neottia nidus-avis e Serapias perez-chiscanoi. Outras, como a Dactylorhiza incarnata e a Epipactis palustris, provavelmente, encontram-se extintas.
São autênticos tesouros botânicos, as orquídeas silvestres que se encontram em campos e serras portuguesas. Não são grandes nem exuberantes como as orquídeas ornamentais originárias de países tropicais.
São pequeninas, raras, misteriosas e lindíssimas. Verdadeiras joias do mundo vegetal.
No entanto, são desconhecidas da maior parte dos portugueses ou, muitas vezes, confundidas com ervas do campo. Esse disfarce ajudou-as a passar despercebidas mas também a serem destruídas na ignorância de quem limpa campos, constrói empreendimentos ou relvados.
Para ajudar a identificar as espécies, pode adquirir o guia «Orquídeas Silvestres da Beira Litoral», do biólogo José Monteiro, contendo a descrição de espécies encontradas nessa região mas que também são encontradas em outras regiões do país.

Sobre o dinamizador:

José Alfredo Brites Monteiro, licenciado em Biologia pela Universidade de Coimbra – Ramo Científico, é docente na Escola EB 2,3/Sec de António José de Almeida em Penacova.
É natural de Vilar de Maçada (Alijó – Vila Real), onde nasceu em 1957, e reside em Coimbra.
Desde 1997 que se dedica ao estudo e recolha de dados acerca das orquídeas silvestres portuguesas.
Colabora com entidades locais e individuais no levantamento e protecção deste património natural.
Desenvolve a colaboração e o intercâmbio na troca de informação sobre orquídeas nacionais.
Realiza exposições de fotografias sobre orquídeas silvestres nacionais, com o objetivo de dar a conhecer e a preservar.
Orienta cursos de introdução à identificação das orquidáceas portuguesas.
Trabalhos já publicados:
Artigos:
Sobre orquidáceas portuguesas em revistas – Munda.
Livros:
Orquídeas Silvestres – 11/2004.
Orquídeas Silvestres da Beira Litoral – 12/2008
http://www.orquideas.pt.vu/