Rota do Cabrito veio para ficar na Região Centro

0
1
 Lançamento do Fim-de-semana do Cabrito na Lousã foi mais uma
prova da união dos concelhos da CIMPIN, num momento em que ficou patente a
vontade de reforçar estas parcerias.
 
«Juntos somos mais fortes, conseguimos ter mais escala para
desenvolver mais». A ideia não é nova e tem sido repetida por estes dias em
vários concelhos da região, mas começa a ser a nota dominante na Rota do
Cabrito e que ontem voltou novamente a ser palavra de ordem, no lançamento do
Fim-de-Semana do Cabrito na Lousã, a “mesa” que se segue na lista dos oito
concelhos que têm mostrado, ao longo deste mês, a arte de bem-fazer gastronomia
regional.
As palavras, são do presidente da Câmara Municipal da Lousã,
Luís Antunes, que recebeu, no restaurante O Burgo, os autarcas de Coimbra,
Miranda do Corvo, Góis, Castanheira de Pêra, Pedrógão Grande, Arganil,
Penacova, Tábua, Montemor-o-Velho, Alvaiázere e Figueiró dos Vinhos, num almoço
que pretendeu também estreitar laços entre os concelhos vizinhos, numa parceria
cada vez mais incentivada e que deixou no ar compromissos para uma Rota do
Cabrito em 2013, melhorada e ancorada apenas nos municípios.

Isto, porque ao desafio lançado pelo presidente da Comunidade
Intermunicipal do Pinhal Interior Norte I (CIMPIN), também presidente da Câmara
de Pedrógão Grande, para que, à semelhança do que sugeriu em Miranda do Corvo,
os pratos «tradicionais deixem de ser concelhios e passem a ser regionais e que
os restaurantes possam criar ementas transversais», o presidente da Entidade
Regional de Turismo do Centro respondeu com um desafio maior, sugerido aos
autarcas presentes. «O apelo que o presidente da CIMPIN fez é bem vindo no
sentido de termos esta capacidade de lançarmos em 2012 uma iniciativa já
alavancada nos municípios e que eles possam 
beber um bocadinho da experiência de 2012 e 2013 possa ser ainda mais
rico», lançou Pedro Machado, defendendo que a Rota do Cabrito de 2013 deverá
surgir com «algumas alterações», sobretudo a nível de calendarização, para que
não se repita a sobreposição de festivais gastronómicos em concelhos aderentes,
como nesta primeira edição.
De resto, para o anfitrião do almoço, o presidente da Câmara
da Lousã, que até recebeu os convidados com uma pequena quadra alusiva ao
concelho que defendeu «ser o melhor do mundo», esta união intermunicipal não se
deve estancar na gastronomia.
«Estas parcerias que têm sido feitas, mais particularmente
na gastronomia devem ser alargadas a outras áreas», defendeu o autarca,
considerando que sem dúvida “a união faz a força” e elogiando, nesse sentido, a
«boa a iniciativa da Turismo do Centro e dos municípios que se associaram» à
Rota do Cabrito, «também pela projecção da certificação do cabrito, no sentido
de dar um valor acrescido àquilo que é um produto gastronómico importante para
esta região».
Para o dirigente da CIMPIN, a presença de 12 concelhos no
evento já «demonstra que esta atitude e esta estratégia está bem presente em
todos  e está assumida».
Em suma, um almoço que reforçou laços que se têm vindo a
estreitar em prol da promoção da região, e que pretendeu lançar um
fim-de-semana de boa gastronomia na Lousã, dando não só a provar como se
confecciona o cabrito neste concelho, mas também um novo doce, o Burgo, que
reúne vários sabores endógenos da Lousã.
I