Problema nos contadores lesa 480 mil clientes da EDP

0
4

Mais de metade dos 800 mil clientes da EDP com tarifa bi-horária ou tri-horária poderão estar a ser lesados porque os seus contadores não têm a hora ou até a data certa. A DECO exige a retificação imediata da situação e ajuda os consumidores a reclamar junto da EDP.

Quase 60% dos contadores apresenta uma hora incorreta: este é o principal resultado de um levantamento que realizámos em 165 habitações com tarifa bi ou tri-horária, em Portugal Continental. Num universo de mais de 800 mil famílias com esse tarifário, o panorama requer uma ação rápida e incisiva, com uma auditoria independente aos contadores da EDP, para que o regulador ERSE não se baseie exclusivamente nos dados da empresa para retificar a situação.
No nosso levantamento, realizado entre março e abril, 12% dos contadores registaram mais de 30 minutos de diferença e cerca de 14% entre 11 e 30 minutos. Ou seja, mais de um quarto da nossa amostra apresentava um desvio bastante significativo comparativamente à hora correta. Apenas 41% dos aparelhos tinham a hora real ou erros até dois minutos. Detetámos 9 casos particularmente graves, em que registámos diferenças iguais ou superiores a uma hora. Carvalhal da Aroeira (concelho de Torres Novas), Lisboa, Minde (concelho de Alcanena), Viseu, Bragança e Cercal (concelho de Ourém) e Chaves estão na lista. Nos exemplos mais graves, em Chaves e Cercal, encontrámos dois contadores bi-horários com uma diferença de duas horas face à hora real. No total, colaboraram residentes em 83 localidades, de 48 concelhos, distribuídos por 15 distritos do Continente.
Conclusão: muitos consumidores com tarifas bi-horárias e tri-horárias podem estar a pagar mais do que deveriam na fatura da eletricidade devido ao desacerto dos contadores: naturalmente, transferem os seus consumos para horas de vazio (com eletricidade mais barata) que, na prática, não são contadas como tal, pelo menos integralmente. Apesar de se tratar de situações pontuais, também há clientes com tarifas bi-horárias de ciclo semanal a serem penalizados devido ao desacerto da data indicada pelos contadores. Detetámos três casos.
O mínimo que se pode exigir à EDP é manter um controlo rigoroso da qualidade dos seus instrumentos de medição e faturação. Face a este estudo a DECO informou a ERSE, regulador do setor, e exige a sua intervenção, alicerçada numa auditoria independente. A DECO apela aos consumidores com tarifa bi ou tri-horária para verificarem a hora e data que constam no seu contador e reclamar de imediato se não corresponder à hora real.
[DECO]