PS de Penacova toma posse – “Hoje há obra feita, enquanto que há uns anos não se passava nada em Penacova”

0
4
Ricardo Simões, recandidato vencedor na liderança do PS de Penacova, foi bastante contundente em relação ao estado em que diz que o PSD deixou o município nas quase três décadas em que governou a câmara local.
No evento ocorrido no restaurante “O Cortiço”, a 16 de Agosto, com a presença de cerca de 100 pessoas, entre elas o Presidente da Federação do PS, Pedro Coimbra, bem como o Presidente de câmara de Penacova, Humberto Oliveira, o Presidente da câmara de Soure, João Gouveia e a Presidente da câmara de Góis, Maria de Lurdes Castanheira, o vereador socialista de Penacova Ricardo Simões não poupou críticas ao anterior executivo, acusando-o de ter deixado uma herança demasiado pesada aos penacovenses. Ricardo Simões deu como exemplos “as candidaturas mal feitas dos relvados sintéticos e que por essa razão Penacova não recebeu qualquer comparticipação dos fundos europeus, tendo o Município suportado o valor total da obra de um milhão de euros; o acordo celebrado entre o anterior executivo e as Águas do Mondego e que, por força deste, o município de Penacova recebeu em 2011 uma fatura de 200 mil euros de água que não consumiu; o Parque Industrial da Alagoa, que foi começado a 15 dias das eleições autárquicas de 2009, sem projeto de abastecimento de águas, esgotos, eletricidade e comunicações; ou mesmo a regeneração urbana de Penacova, na qual se previa a construção de um parque de estacionamento subterrâneo, no Terreiro, que seria demasiado oneroso e traria avultados problemas”. Rematou ainda que “foi esta a herança que nos deixaram e nós temos resolvido todos estes problemas a bem de Penacova”.

Humberto Oliveira, Presidente da Câmara Municipal de Penacova, na sua intervenção lembrou também as dificuldades encontradas quando tomou posse e com que ainda hoje se vê confrontado. Quis ainda esclarecer que são completamente infundados os boatos de que o Município de Penacova tinha em caixa dois milhões de euros, “uma vez que, na realidade, os mesmos já tinham sido gastos e aquilo que o novo executivo encontrou foi uma divida de três milhões de euros, a qual ainda subiu até aos três milhões e setecentos mil euros, em 2010, resultado da execução final das obras adjudicadas.
Humberto Oliveira referiu que se recusa “a assistir passivo ao estrangulamento orçamental imposto pela Lei dos Compromissos, que está a afetar o desenvolvimento de todos os municípios portugueses, mostrando-se empenhado em concretizar os projetos a que se comprometeu, designadamente o Centro Educativo de Lorvão”. Humberto Oliveira referiu não temer os resultados das eleições que se avizinham, pois está de consciência tranquila relativamente ao que se propôs fazer e àquilo que efetivamente concretizou. Não fossem as políticas limitativas impostas pelo governo do PSD, outros projetos estariam concretizados, referindo-se a título de exemplo, ao Tribunal Judicial de Penacova o qual já tinha os dias contados no nosso concelho se não fosse obtido o acordo com o Ministério da Justiça, pois durante anos e apesar de haver possibilidades, não foram criadas alternativas que por cá o mantivessem.
Pedro Alpoim, presidente da JS local, referiu ainda que “este é o momento de “cerrar fileiras” em torno do mais importante objetivo que se aproxima, que são as eleições autárquicas de 2013, enaltecendo o trabalho do executivo de Humberto Oliveira no sentido de modernizar Penacova e o seu concelho, “apesar da austeridade imposta por um governo que apenas tem como objetivo destruir as conquistas de Abril”.
Para Pedro Coimbra, “os desafios vencidos e as dificuldades atravessadas são a imagem de marca deste executivo que tirou Penacova do subdesenvolvimento em que se encontrava há décadas. O Presidente da Federação teceu severas críticas às imposições do governo, que causam sérios danos na credibilidade dos políticos e das políticas que visam o bem-estar das populações. Destacou a importância das políticas dos Presidentes de Junta eleitos pelo PS e do trabalho de proximidade que todos, sem exceção, desenvolvem em prol das populações que representam e que acompanham na resolução dos problemas com que no dia-a-dia se debatem, apesar das severas restrições impostas pelas medidas de contenção aprovadas pelo governo do PSD.
José Varandas, falecido este ano, foi recordado. Pedro Coimbra descreve “o amigo, o camarada e ilustre penacovense, um homem de valores e com valor, que se debateu sempre pelos princípios socialistas da sociedade e a quem o PS e Penacova muito ficaram a dever”.
Pedro Coimbra realçou ainda que “em equipa que ganha não se mexe”, dando o seu apoio quer ao novo presidente da concelhia eleito, quer ao executivo municipal liderado por Humberto Oliveira, que registou nas últimas eleições o seu melhor resultado eleitoral autárquico de sempre, conquistando a presidência da câmara e da Assembleia municipal, bem como cinco freguesias.
NI/PS PENACOVA