Fundação Mata do Buçaco – Intervenções no terreno, visitas e ações de voluntariado foram algumas das atividades desenvolvidas em agosto na Mata Nacional do Buçaco

0
0
Ações de voluntariado, intervenções em várias áreas da Mata para combater espécies invasoras e ainda visitas para o público em geral, para dar a conhecer o projeto BRIGHT, foram algumas das ações desenvolvidas no último mês de agosto. A equipa da Fundação Mata do Buçaco continua assim a executar trabalhos no âmbito do projeto Bussaco´s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats, que teve início em setembro de 2011.

A intervenção no silvado junto às Portas de Coimbra foi uma das ações desenvolvidas, parte removendo apenas uma parte do maciço formado pela espécie. Saliente-se que a equipa do Projeto BRIGHT teve em consideração a salvaguarda de algumas áreas daquele silvado, já que estesconstituem um nicho ecológico, que funciona como local de alimentação e nidificação de espécies protegidas pela Diretiva Habitats.
Já a área do Pinhal do Marquês continua a ser intervencionada, no âmbito do projeto. A parcela “trabalhada” durante o mês de agosto teve uma intensa necessidade de mão-de-obra, muito dificultada pelo nível de invasão verificado. As espécies exóticas invasoras mais problemáticas nesta parcela foram a mimosa (Acacia dealbata), a australia (Acacia melanoxylon) e o pitósporo (Pittosporum undulatum). Aí foram aplicadas boas práticas de erradicação de invasoras como o controlo mecânico (remoção física pela raiz) e descasque. Também nesta parcela está prevista a plantação de espécies autóctones. Procedeu-se ainda à recolha de sementes de azereiro para propagação em viveiro e futura instalação na MataNacional do Buçaco.
O fim da intervenção numa área junto às portas do Luso, que confina com a Estrada Nacional 235, foi outras das ações desenvolvidas no âmbito do Projeto BRIGHT, permitindo remover erva-da-fortuna (Tradescantia fluminensis), controlar a proliferação de pitósporos e realizar o arranque e descasque de mimosas (Acacia dealbata).
Ainda nesta parcela procedeu-se à recolha de exemplares para transplantação de espécies autóctones, que a permanecer no local não teriam viabilidade, como foi caso do aderno (Phyllirea latifolia).
Como parte da estratégia de erradicação de espécies exóticas invasoras, está prevista para aquela parcela a plantação de espécies autóctones como o azereiro (Prunus lusitanica), medronheiros (Arbutus unedo), carvalho alvarinho (Quercus robur), sobreiro (Quercus suber), folhado (Viburnum tinus) e gilbardeira (ruscus aculeatus).
Ações de voluntariado para graúdos e miúdos
No total foram realizadas três ações de voluntariado durante o mês de agosto, uma delas com funcionários da Fundação Mata do Buçaco, como já vem sendo hábito. Decorreu ainda uma ação com cidadãos, amantes da natureza e que pretenderam dar o seu contributo.
O arranque manual de erva-da-fortuna (Tradescantia fluminensis), a remoção dos detritos resultantes para compostagem e posterior cobertura da zona com folhada, promovendo o ensombramento – mitigando as probabilidades de ressurgimento desta espécie exótica invasora – e o descasque de acácias (Acacia melanoxylon) foram alguns dos trabalhos desenvolvidos nas ações de voluntariado realizadas.
Com este tipo de voluntariado, a Fundação Mata do Buçaco pretende alertar os participantes para a importância do combate a espécies invasoras que não fazem parte da flora da Mata Nacional do Buçaco, bem como sensibilizar para a participação dos cidadãos em iniciativas de voluntariado ambiental.
Visita e atividades com crianças do Luso
22 crianças do ATL da Associação Jovens Cristãos de Luso realizaram uma visita ao Adernal, enquanto recolhiam também sementes de gilbardeira (Ruscus aculeatus).  Aos mais pequenos foi transmitida a importância dos valores da Mata, com especial ênfase na necessidade de cuidar da Floresta Relíquia.
Já as sementes foram encaminhadas para os viveiros da Mata Nacional do Buçaco a fimde ser promovida a sua germinação para posterior plantação em parcelas que se encontram neste momento a ser alvo de ações de erradicação de espécies exóticas invasoras. Foram recolhidas 1500 sementes.
*Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
Sobre a Fundação Mata do Buçaco:
A Fundação Mata do Buçaco, criada pelo Decreto-Lei nº 120/2009 de 19 de maio, é uma pessoa coletiva de direito privado e utilidade pública, criada pelo Estado, com participação da Câmara Municipal da Mealhada. A missão da Fundação Mata do Buçaco é a de preservar o seu importante património e desenvolver as suas diversas potencialidades, tendo como objeto principal a conservação do património natural e cultural, a investigação florestal, a educação ambiental e as atividades turísticas e de lazer. Compete à Fundação gerir de forma integrada o património florestal, histórico, cultural, religioso e militar que se combina de forma particularmente rica e diversificada na Mata Nacional do Buçaco.
Sobre o Projecto BRIGHT:
Financiado pelo programa europeu LIFE+ Biodiversidade com o objectivo de assegurar a conservação do adernal – habitat apenas existente em toda a Europa na área de floresta relíquia da Mata Nacional do Bussaco – o projecto BRIGHT – Bussaco´s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats encontra-se em curso desde Setembro de 2010. Com uma duração de 5 anos, inclui trabalhos de combate e controlo de espécies invasoras que ameaçam aquele habitat e de valorização e reabilitação da flora autóctone que o integra, apresentando como característica complementar e inovadora o envolvimento activo de vários públicos (visitantes, residentes e entidades públicas e privadas) nas actividades de conservação.
Sobre o Financiamento LIFE+:
O LIFE + é um instrumento que visa o financiamento de projetos com elevado cariz demonstrativo a nível europeu e que contribuam ativamente para a implementação das políticas comunitárias. O LIFE+ foi concebido com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento, aplicação, monitorização, avaliação e comunicação no domínio da política e legislação ambiental da União Europeia, em três vertentes: Natureza e Biodiversidade, Politica e Governação Ambiental e Informação e Comunicação.
 NI/FMB