1.º aniversário do Projeto BRIGHT celebrado na Mata do Buçaco

0
5
O 1.º aniversário do Projeto BRIGHT –
Bussaco´s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats, projeto que teve
início em final do mês de setembro de 2012, foi ontem, dia 03 de outubro,
celebrado.
Numa fase em que o controlo inicial sobre
espécies exóticas invasoras mais agressivas da Mata Nacional do Buçaco abrange
já mais de oito hectares, a Fundação Mata Buçaco entendeu adequado associar à
celebração simbólica do 1º aniversário do Projecto BRIGHT os primeiros
trabalhos relacionados com o controlo de Cortaderia
selloana
.
Assim, procedeu-se à remoção dos exemplares
existentes da espécie Cortaderia
selloana
 localizados no lago
dos jardins do Palace Hotel do Bussaco. A Cortaderia
selloana
, mais conhecida como Penachos ou Erva-dos-Pampas é uma espécie que
tem vindo a apresentar características invasoras, tendo nas últimas décadas
grande expansão, ocupando áreas sensíveis do ponto de vista ambiental.
Tradicionalmente usada como ornamental em
jardins públicos e privados, representa já, nalguns locais do nosso país, uma
ameaça à conservação de diversas espécies e habitats, especialmente nas zonas
litorais. Atualmente os exemplares existentes na Mata Nacional do Buçaco
encontram-se no lago junto aos jardins do Palace Hotel do Bussaco, onde terão
sido instalados nas décadas mais recentes, conforme atestam fotografias
históricas dos jardins, das quais ela estava ausente.
 

Pretendeu-se com a esta ação proceder à
erradicação da espécie no espaço intramuros mas também sensibilizar a população
local para o uso de alternativas menos agressivas do ponto de vista ambiental
nos seus próprios jardins.

Sendo norteada por objetivos preventivos, de
conservação do adernal, mas também de integração paisagística, a intervenção
tem em conta o contexto histórico dos jardins e também a sua estrutura de
outras épocas. Contempla assim, simultaneamente, a valorização do espaço do
jardim – melhorando a visibilidade do conjunto Convento de Santa Cruz do
Bussaco/ Palace Hotel do Bussaco – e a demonstração do uso de espécies
autóctones para fins ornamentais – através do recurso à plantação de
lírio-amarelo, espontâneo de muitas linhas de água e zonas húmidas do nosso
país, (Iris pseudacorus) mas também frequentemente usado pelo seu valor
ornamental em muitos jardins públicos.
Espera-se que deste ato simbólico e da sua
divulgação resulte também, a médio prazo, uma redução da utilização de Cortaderia selloana em áreas envolventes à Mata Nacional
do Bussaco – eventualmente noutros locais do país – evitando
assim a sua proliferação ao longo de espaços
naturais de elevado valor e a necessidade futura de esforços muito mais
alargados para o seu controlo e erradicação.
Para além da ação simbólica de controlo, foi
ainda realizada uma visita aos viveiros reabilitados, onde as existências de
plantas autóctones ascendem já a centenas de exemplares de diversas espécies
após um ano de atividade do Projeto BRIGHT.
O controlo de seguimento encontra-se também em
pleno em diversas parcelas, entre as quais parcelas piloto de ensaio de
metodologias e parcelas de intervenção contra invasoras.
Comissão Europeia congratula Fundação
pelo trabalho desenvolvido


Após a entrega do Relatório Inicial do
projeto, a Comissão Europeia endereçou os parabéns à Fundação Mata do Buçaco
pelo trabalho desenvolvido no âmbito do BRIGHT, informando que o projeto tem
todas as condições para continuar.
“Com base nas informações incluídas no
relatório, a Comissão considera que o projeto continua a ser viável e
encontra-se no rumo certo para atingir os seus objetivos dentro do prazo original,
sendo portanto autorizada a sua continuidade”, pode ler-se no ofício da
Comissão Europeia endereçado à Fundação.
O projeto BRIGHT- tem por objetivo a
conservação de um habitat único – o adernal – através do controlo, e nalguns
casos da erradicação de espécies exóticas com características invasoras que o
ameaçam. Iniciado em Setembro de 2010 e com uma duração de cinco anos, o
projecto inclui ao longo deste período trabalhos contínuos de controlo de
diversas espécies exóticas com características invasoras que se encontram
presentes na Mata Nacional do Buçaco e que apresentam diferentes níveis de
ameaça para a conservação dos valores naturais que a mesma encerra.
A erradicação daquelas espécies, objetivo
último do projeto, é algo que apenas pode e deve ser considerado numa
perspetiva de longo prazo, à semelhança do que sucede com qualquer estratégia
de controlo biológico devidamente estruturada e colocada em prática.
Durante a sua execução, prevêem-se
essencialmente trabalhos de controlo inicial – incidindo sobre todas as áreas
onde previamente se identificou a presença de espécies invasoras, com recurso à
aplicação de práticas e técnicas bem-sucedidas noutros contextos e/ou novas
técnicas testadas, avaliadas e seleccionadas no contexto do projecto – seguidos
de trabalhos de controlo de seguimento e controlos de manutenção (que
apresentam níveis decrescentes de intensidade).
Procurando melhorar a sua eficácia, os
trabalhos de controlo são acompanhados, em todos os casos, de ações de reforço
e valorização das populações de espécies autóctones, através de um trabalho
continuado de recolha e propagação de material vegetal, que se centra nos
viveiros florestais, reabilitados com esse objetivo e atualmente em pleno
funcionamento. Num ano foram propagadas mais de 30 espécies autóctones e mais
de três mil plantas foram produzidas.
No final do projeto, as áreas intervencionadas
deverão encontrar-se todas em fase de controlo de manutenção, na qual se
procederá regularmente à monitorização do aparecimento de novos exemplares e à
sua erradicação. Fase que no caso de algumas espécies – como é o caso da
maioria das acácias – se prolongará por largos anos, dado o banco de sementes
existente.
Complementarmente, são esperados ainda dentro
do período de execução do projeto resultados de erradicação efetiva de algumas
espécies cujas populações atuais são menores e/ou cujas características invasoras
são menos agressivas. Daí decorre uma maior facilidade de controlo e,
consequentemente, a possibilidade de atingir a erradicação. Tal é o caso da
espécie Cortaderia selloana,
para a qual se perspetiva, no projeto, a erradicação da Mata Nacional do Buçaco.

Cândida de Sá 

Sector de Comunicação 
Fundação Mata do Buçaco | Mata do Buçaco |
3050-261 Luso
tel.: 231
937 000 | www.fmb.pt

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui