Até 4 de novembro, exposição fotográfica dá a conhecer o “Rio Mondego, da Nascente à Foz”

0
2

No âmbito das comemorações do Dia Nacional da Água, a Águas do
Mondego (AdM) juntou-se à Águas de Coimbra (AC) e ao diário As Beiras para inaugurar, no espaço Museu da Água,
a exposição “Rio Mondego, da Nascente
à Foz”
, uma compilação de fotografias que faz uma viagem pelo
Rio Mondego.

“Rio Mondego, da Nascente à Foz…” é uma exposição que dá a conhecer o rio Mondego da
nascente até à foz, através de uma foto reportagem
. Um trabalho
que pretende ainda destacar a importância do recurso água, com particular
incidência nos sistemas de gestão da água (trabalho desenvolvido em parceria
entre a Águas do Mondego e a Águas de Coimbra) e da qualidade do serviço que na
região é prestado, permitindo levar diariamente água a milhares de lares.
Esta exposição, que estará patente no Museu da Água até dia 4 de
novembro, vai percorrer os
concelhos que o Rio Mondego atravessa
. A Águas do Mondego, em
parceria com as autarquias (datas e local a definir), pretende
levar, nos meses seguintes, esta viagem pelo “Rio Mondego, da Nascente à Foz” a
mais sete concelhos servidos pela empresa, nomeadamente Condeixa-a-Nova,
Mealhada, Lousã, Penela, Miranda do Corvo, Penacova e Vila Nova de Poiares. Além
da exposição, a AdM aproveitará para promover campanhas de
sensibilização 
para adultos e para os mais jovens sobre
água e ambiente.

Além da inauguração desta exposição itinerante, a AdM,
aproveitou o Dia Nacional da Água para divulgar, nos jornais regionais, a
sua nova imagem institucional. Após sete anos de atividade,
pretende-se, com esta nova imagem refletir o trabalho feito pela empresa nos 12
municípios que serve. “Sempre a pensar no seu futuro” é o
novo mote. “Queremos também mudar o nosso discurso, ou seja, deixar de falar tanto
na Águas do Mondego como uma empresa de investimentos, mas, sobretudo, como
prestadora de serviços de qualidade”, afirma o Presidente do Conselho da
Administração
, Eng.º Nelson Geada.

No projeto global da AdM estavam previstos investimentos no
montante de mais de 170 milhões de euros, dos quais 33 milhões de euros
financiados pela União Europeia, através do Fundo de Coesão. Neste momento, mais de 77% dos
objetivos a que nos propusemos estão cumpridos
. É nas nossas
estações de tratamento de água (ETA da Boavista, ETA da Ronqueira e ETA de
Cancelas) que realizamos o tratamento adequado da água que fornecemos a 265 mil
habitantes, garantindo o abastecimento de água à população através de 133
km
 
de
condutas adutoras, 35 reservatórios e 19 estações elevatórias. A nível de
saneamento de águas residuais, já construímos 43 estações de tratamento de
águas residuais (ETAR), 141 km de emissários e 46
estações elevatórias, que servem 243
mi
 habitantes
equivalentes dos municípios servidos.

As duas empresas, no âmbito da sua responsabilidade social e
ambiental, têm procurado intervir, em conjunto, junto dos públicos mais jovens,
no sentido de os ensinar a valorizar as questões ambientais e,
em especial, o recurso água. Sensibilizar as populações para o caráter universal
da Água e para a necessidade de uma gestão integrada dos recursos hídricos
,
o que permite ao mesmo tempo a sobrevivência do Homem e do Planeta é o
principal objetivo destas ações desenvolvidas pela AdM e AC.

Fornecer água em qualidade e
quantidade

A Águas do Mondego abastece, neste momento, oito municípios
do seu Sistema Multimunicipal
, a saber, Coimbra,
Condeixa-a-Nova, Lousã, Mealhada, Miranda do Corvo, Penacova, Penela e Vila
Nova de Poiares. Seis destes concelhos são servidos pelo Subsistema de
Abastecimento de Água da Boavista (Coimbra, Condeixa-a-Nova, Lousã, Mealhada,
Miranda do Corvo e Penela) e pelo Subsistema de Abastecimento de Água da
Ronqueira (Penacova e Vila Nova Poiares), através de duas empreitadas,
concluídas em 2010, que permitem abastecer com água em qualidade e quantidade
mais 275 mil habitantes.

Subsistema de Abastecimento de Água da Boavista

O Subsistema de
Abastecimento de Água da Boavista, que engloba um conjunto de sete obras,
abastece cerca de 60% da população servida pelo Sistema Multimunicipal do
Mondego-Bairrada.

A partir da Estação de Tratamento de Água (ETA) da Boavista, a
água tratada é encaminhada para os municípios de Coimbra, Miranda do Corvo,
Mealhada, Condeixa-a-Nova, Lousã e Penela, correspondendo a uma população
global de cerca de 250 mil habitantes.

Na sua globalidade, representa um investimento de cerca de 50
milhões de euros, cofinanciado em 53% pelo Fundo de Coesão da União Europeia, e
inclui a construção da ETA da Boavista, de 37 Reservatórios de Água, de 13
Estações Elevatórias e de 145
km
 
condutas adutoras.

A ETA da Boavista está
assim dimensionada para servir uma população de 250 mil habitantes e apresenta
uma capacidade de tratamento de 129.600m3/dia.

Subsistema de Abastecimento de Água da Ronqueira

O Subsistema de
Abastecimento de Água da Ronqueira serve as freguesias de Penacova, Friúmes,
Oliveira do Mondego, São Paio de Mondego, São Pedro de Alva e Travanca do
Mondego, Lorvão, Figueira de Lorvão, Sazes do Lorvão (Município de Penacova) e
as freguesias de Lavegadas, São Miguel de Poiares, Arrifana e Poiares (Santo
André) (Município de Vila Nova de Poiares).

Trata-se de uma obra que
teve como investimento total cerca de 9 milhões de euros, cofinanciado pelo
Fundo de Coesão da União Europeia em 53%, e que inclui a construção da ETA da
Ronqueira, de 6 Reservatórios, de 1 Estação Elevatória e de 41
km
 
de condutas adutoras.

Esta obra serve a
população dos municípios de Penacova e Vila Nova de Poiares, representando, no
ano horizonte do projeto (2039), cerca de 25 mil habitantes.

AdM garante correto tratamento de águas residuais na região
Centro

A AdM garante também
que, após a sua utilização, a água volte ao ambiente convenientemente tratada,
contribuindo assim para a sustentabilidade dos nossos meios hídricos. Afinal, a
qualidade da água é essencial para o nosso bem-estar.

Até 2011, foi realizado
77% do investimento previsto no Contrato de Concessão. A nível de saneamento, a
AdM tratou as águas residuais de perto de 243 mil habitantes dos concelhos de
Ansião. Arganil, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Góis, Lousã, Miranda do Corvo,
Penacova, Penela e Vila Nova de Poiares, contando com 43 ETAR, 46 Estações
Elevatórias e 141
km
 
de intercetores
instalados.

Fonte: AdP