O silêncio de ouro para o amigo da onça *

0
1

Já perdi a conta
aos títulos de jornal que abordam os slêncios de Cavaco Silva. E a outros
tantos que criticam justamente quando ele resolve falar – sobretudo aqueles em
que o Presidente lamentou não receber o suficiente para pagar as suas despesas,
tendo os media apurado que Cavaco recebia cerca de oito mil euros mensais!
Não bastava
termos um governo que não faz ideia da situação em que muitos portugueses
vivem, temos também um Presidente que insulta todos aqueles que sentem na pele as
dificuldades de não receberem mensalmente uma pequeníssima parte do que
arrecada Cavaco Silva.
Se somarmos a
isto os mais de 350 mil euros que Cavaco lucrou conjuntamente com a filha pela
venda das acções do BPN disponibilizadas pelo amigo Oliveira e Costa, o
ressentimento do País é seguramente maior.

circunstâncias em que, de facto, é preferível que Cavaco se cale. Mas há outras
em que o Presidente tem de acordar da gélida e dormente hibernação que se
instalou no Palácio de Belém e que o afasta das ruas de Portugal. As políticas cegas
da direita e a sua insistência no ataque mortífero ao Estado Social – um
património de todas as pessoas que ergueram o nosso País – deviam fazer Cavaco
levantar-se do sofá e mostrar que o caminho não é a desumanização. Mas Cavaco
prefere o silêncio!
É o Estado
Social que nos afasta da época medieval da barbárie. É o Estado Social que nos
garante uma cidadania de igualdade, o acesso à saúde, à educação, à justiça e
ao apoio social. As pessoas estão na rua. Onde está Cavaco?
Soubemos que
esteve há uns dias nos prémios Gazeta, que premeia trabalhos jornalísticos.
Disse:
“Todos sabem que o silêncio do Presidente é de ouro, hoje a cotação do
ouro foi 1.730 dólares por onça, uma onça são 31 gramas“. Cavaco,
pelos vistos um entendido em onças, quebrou o silêncio apenas para dizer por
que está em silêncio:
Cavaco anda em
reflexão enquanto andar em reflexão vai avalizando a austeridade torpe do
Governo. Cavaco anda em reflexão enquanto as empresas encerram, o desemprego galga
as estatísticas, o Governo falha todas as previsões, a carga de impostos é
insuficiente para cobrir o fracasso das políticas actuais, e o Governo teme
negociar de cabeça erguida com os credores que nos impõem medidas, prazos e
juros excessivamente abusivos.
Cavaco anda em
reflexão enquanto a farsa deste Orçamento do Estado para 2013 esgota o tempo de
(falsa) discussão! Cavaco, o primeiro timoneiro do País, adormeceu enquanto
refletia. A instituição Presidência da República está enfraquecida com o seu
atual inquilino. O Presidente não representa os portugueses, não acalma os seus
anseios, não é porta-voz dos oprimidos. O Presidente tenta fazer piadas sobre
os seus silêncios e sobre o seu paradeiro.
Mas não estamos
em tempos de fazer piadas! 
Pedro Coimbra
artigo de opinião originalmente publicado na edição do Diário de Coimbra de 26.11.2012

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui