CCDRC disponibiliza o estudo “Retrato Social do Centro de Portugal”

0
3
O estudo “Retrato Social do
Centro de Portugal” tem por objetivo analisar a realidade social do Centro de
Portugal através de alguns indicadores representativos das condições de vida e
de bem-estar na região. Para o efeito, privilegiaram-se um conjunto de domínios
referentes aos principais sistemas sociais e que, fundamentalmente, contemplam
os direitos humanos básicos: educação e formação, emprego, proteção social,
habitação, saúde, segurança e igualdade de oportunidades para o género. Após
uma breve caracterização e enquadramento da região em termos socioeconómicos,
analisam-se os vários domínios referenciados.
Proporção de população idosa que vive só ou
na companhia de outros idosos 2011 

Sendo o Centro de Portugal um território vasto e
bastante diversificado do ponto de vista morfológico, dos recursos naturais, da
distribuição populacional e da estrutura económica, a análise incidiu sobre os
100 municípios que a constituem com o intuito de avaliar a sua heterogeneidade
ou homogeneidade quanto aos domínios focados.

Beneficiários do rendimento social de inserção por
1.000 habitantes em idade ativa 2010 

Apesar de, nas últimas décadas, ser inegável a melhoria
substancial das condições e da qualidade de vida no Centro de Portugal,
persiste a falta de homogeneidade da região no seu todo. Em termos gerais,
verifica-se que continua presente a dicotomia litoral/interior e a parte
central da região tem-se revelado uma parcela bastante frágil do território.
Esta coexistência de realidades demográficas, económicas e sociais bastante
díspares no seio da região confere um elevado grau de complexidade à
implementação de um modelo de desenvolvimento equilibrado, que dote o espaço
regional de maior coerência e articulação, continuando, assim, a colocar-se
desafios muito particulares do ponto de vista da coesão territorial e social à
região Centro. E numa época de crise como a que vivemos, que implica uma maior
racionalização dos recursos existentes, este desafio assume-se ainda maior e
mais exigente.

A versão integral deste artigo pode ser consultada aqui ou na bibliotca digital.