Multas na Feira da Espinheira*

1
2
Resolvi escrever para alertar os
cidadãos mais desprevenidos que se deslocam à feira mensal da Espinheira-Penacova,
usando para o efeito a sua viatura.
Quem conhece, sabe que aquela
feira é bastante concorrida. São centenas as viaturas que por ali se “espalham”
enquanto os seus proprietários, teoricamente de condição mais humilde (porque
os “grandes” não vão a este tipo de feiras), procuram alguma poupança nas suas
compras.
Um dos locais escolhidos é exactamente
a berma esquerda do pequeno troço que liga a saída do IP3 ao cruzamento de
acesso à feira (cercade 50
metros
), sentido Coimbra-Viseu. Na verdade, o mesmo
troço apresenta um piso de alcatrão, em excelente estado e com largura
suficiente para dois camiões lado a lado, sendo que é de sentido único.
À esquerda existe a berma, muito
larga, em terra batida, onde os carros podem ficar a mais de 2 metros da enorme faixa
de rodagem de sentido descendente único, como disse. Este espaço fica entre o IP3
(que passa a um nível superior) e a citada faixa de rodagem.
Não obstrui o quer que seja; não
impede seja o que for; não incomoda; não embaraça; está no meio do nada!
É, por isso mesmo, aproveitado
como estacionamento para quem vai “feirar”: E aqui começa o problema….
A GNR, ciosa do cumprimento das
suas obrigações (?); ávida de apresentar serviço; escrupulosa em fazer
respeitar o Código da Estrada, actua nas costas dos incautos e,
silenciosamente, vai registando as matrículas dos carros das suas vítimas, que
são notificadas mais tarde para o pagamento de uma coima de 120 a 600 euros e, como
medida acessória, a inibição de conduzir pelo período de 1 a 6 meses!!! Grande crime
cometem as gentes que, na ânsia de fazer face aos tempos difíceis que
atravessam, se deslocam à feira para adquirir produtos mais baratos e –
pasme-se – deixam as viaturas estacionadas numa berma em terra, larga,
desimpedida e desafogada! Inconscientes, pensarão os agentes da GNR.
O Código prevê a proibição de
estacionar nos acessos às auto-estradas ou vias equivalentes e nas bermas
respectivas, devidamente sinalizados.
No caso em apreço, o sinal de fim
de IP encontra-se no términus do pequeno traçado que sai da IP e que acima me refiro,
que passa despercebido mas que confere ao espaço, o enquadramento que valida a aplicação
da lei. Todavia, entendo eu, a Lei e o Direito são algo que tem na sua génese a
defesa dos interesses da sociedade, através da aplicação de um conjunto de
regras que se consubstanciam na Lei. Mas a Lei e a Ordem não são possíveis sem
bom-senso. O legislador não pode, por vezes, excepcionar casos pontuais como o
presente. E então, competiria ao aplicador da sanção ter esse bom senso para
entender quando as multas se justificam ou não; quando devem ou não ser
aplicadas. Mas infelizmente na maioria dos casos, esse bomsenso é uma miragem e
eis os “zelosos” agentes da autoridade, a exercê-la sem olhar a nada, porque,
infelizmente, não estão preparados eticamente para tal, mas outrossim para “castigar”
quem se encontra já por demais castigado!
É nesse sentido que faço este reparo:
alertar os mais incautos que se desloquem à Feira da Espinheira, para terem o máximo
cuidado onde deixam as viaturas porque andam por lá uns “senhores” ávidos de fazer
valer a sua autoridade e em que o que menos conta é o bom senso e a tolerância,
podendo-se correr o risco de serem sancionados devido a um estacionamento
inocente e inofensivo, em coimas e sanções tão ou mais graves do que aquelas
que podem resultar de uma infracção ou um crime eventualmente, esses sim,
graves. E quando assim é, o barato sai caro!
*artigo de opinião publicado no Dirário de Coimbra do dia 04.12.2012, na secção Fala o Leitor. por leitor devidamente identificado

1 COMENTÁRIO

  1. O excesso de zelo tem efeitos contraproducentes. Neste caso penaliza a própria feira e a região. Eu também já lá fui multado. Achei injusto e a pena bastante exagerada. A solução foi esta: nunca mais voltei à feira da Espinheira.
    Nelson Correia Borges