INCÊNDIOS – Bombeiros da região dão apoio a Guarda e Bragança

0
4
Dois contingentes partiram ontem
para dar apoio naquelas zonas mais críticas. Em Alfândega da Fé grupo foi
rendido após 24 horas de combate.
Os bombeiros do distrito estão a
colaborar activamente no combate aos incêndios em Bragança e na Guarda. O
primeiro, na zona de Alfândega da Fé, começou terça-feira ao princípio da tarde
e ontem à noite mobilizava quase 600 combatentes. Entres estes estava um grupo
de 28 bombeiros do distrito, provenientes de Coimbra e da franja litoral do distrito,
ontem revezado por um segundo grupo, que partiu de Penacova por volta das 20h00.
«Os homens estão cansados, estão em actividade permanente desde as duas da
madrugada», dizia Carlos Luís Tavares, comandante operacional distrital,
esclarecendo que os grupos são substituídos após
24 horas.

Também ontem partiu, às 18h30, um
contingente de 25 bombeiros, estes das corporações do interior do distrito e Beira
Serra, com destino a Trancoso, distrito da Guarda, para um fogo que eclodiu ao princípio
da tarde, explicou aquele responsável. O comandante refere ainda que na semana
passada os bombeiros de distrito participaram no combate ao violento incêndio que
deflagrou em Sever do Vouga (Aveiro)e, no fim-de-semana, deram “uma ajuda” em Nelas
(Viseu).

A disponibilização destes meios e
a possibilidade de ajudar outras corporações do país em situação de alguma
gravidade, dada a dimensão e persistência dos fogos, acontece porque, apesar
das elevadas temperaturas que se têm feito sentir, a situação tem estado de alguma
forma ”calma”, em matéria de incêndios no distrito de Coimbra. Carlos Luís
Tavares reconhece que se têm registado bastantes ignições, particularmente nos
concelhos de Arganil, Oliveira do Hospital e Pampilhosa da Serra. Todavia, «temos
conseguido efectuar um ataque inicial fortemente musculado», facto que tem permitido
que «o combate seja bem sucedido».  

O comandante distrital refere ainda
o apoio imprescindível dos meios aéreos. «Temos tido sempre dois meios aéreos
no ataque inicial», provenientes da Lousã, Cernache ou Pampilhosa da Serra. A
secundar esta primeira intervenção, está o helicóptero pesado de Santa Comba
Dão, que já participou no combate aos fogos que deflagraram no Espinhal
Oliveira do Hospital e Lagares da Beira. Calos Luís Tavares sublinha a «boa
capacidade de mobilização» dos bombeiros do distrito, que contam, também, como
um «intervenção pronta das brigadas helitransportadas dos GIPS. Temos
conseguido sempre cerca de 100 homens no ataque inicial, o que é muito bom»,
diz ainda Carlos Luís Tavares, enfatizando a importância deste «ataque inicial
musculado» para “fazer frente” ao fogo.

Arganil tem sido o concelho com
mais situações de fogo, seguindo-se Pampilhosa da Serra e Oliveira do Hospital.
Todavia, é em Mira e Cantanhede que se regista a maior área ardida, na
sequência do violento incêndio ocorrido no final do mês de Junho.