Em dia da Freguesia, a entrevista de João Azadinho à “Comarca de Arganil”

0
3
Travanca do Mondego vai estar em festa. Na manhã de hoje, sábado, dia 27 de Julho, serão realizadas visitas ao interior da Barragem da
Aguieira e à noite haverá Fados de Coimbra pelo Quarteto Guitarras de Coimbra
Aeminium.

No dia seguinte vai decorrer uma sessão solene com homenagem a
pessoas que desde há vários anos têm ajudado a desenvolver actividades e a
dinamizar as instituições da freguesia. De seguida actuam o Grupo de
Cavaquinhos da Rebordosa, havendo a tasquinha da associação que servirá a
tradicional chanfana.
Com o fim de autonomia como freguesia ouvimos o presidente da
Junta de Freguesia, João Azadinho

Como se sente a assinalar a
festa do Dia da Freguesia pela última vez?
 Será a ultima vez que
será comemorado comigo como presidente de Junta de Freguesia, mas tenho
esperança que não seja a última vez que ela se realize. Quando em 2010
iniciámos esta comemoração, foi para lembrar o nosso padroeiro S. Tiago. São
dias virados para a nossa população e nossas instituições, daí termos prestado
homenagens aos anteriores presidentes de Junta, a instituições da freguesia e
do concelho.
É urna festa que foi muito bem aceite pela população, que adere
sempre de forma numerosa e voluntária.
Com a reorganização das freguesias, a gestão de duas freguesias
será feita por um único e executivo. A freguesia Travanca do Mondego continuará
a existir e Tiago continuará a ser seu padroeiro.
Assim, espero que próximo executivo União das Freguesias de
Oliveira do Monde e Travanca do Mondego mantenha, neste ou noutros moldes, este
dia festa.
Neste seu mandato sente que
fez pela freguesia o melhor foi possível?
Recordo que Travanca do Mondego, nos últimos 16 anos, tinha
tido o mesmo presidente de Junta. Quando tomei posse senti alguma confiança
relativamente ao que podia vir a faz dado que a minha vi pessoal e profissional
não era em
Travanca Mondego. Após
a minha eleição, mantive sempre uma
proximidade junto da nossa população contei também com grande apoio dos outros
membros do executivo: António Sousa e a Jacilene Rosas e também do presidente
da Assembleia, Alberto Marmelo. Acho que funcionámos bem como equipa.
Respondendo mais pergunta, acho que fizemos o melhor
possível dentro do contexto actual que vivemos.
Com as transferências do poder central a diminuir, quem ocupa estes
lugares tem de fazer uma gestão muito cuidada de onde os dinheiros públicos são
gastos.
Qual o seu sentimento em
relação à agregação da sua freguesia à de
Oliveira do Mondego?
O sentimento foi sempre de revolta por sentir que se está a fazer
uma reforma por fazer, ou para “troika ver”. Começou-se por desenhar as
freguesias a régua e esquadro, sem se definirem quais as suas novas
competências, que até hoje não se conhecem. Não se resolve problema nenhum do
país com esta medida e só vem contribuir para que cada vez mais as pessoas se
afastem das decisões e do poder local.
Agora resta o conformismo e tentar que a população sinta o
menos possível este novo mapa de freguesias, tentando que os serviços e a
proximidade se mantenham.
Ao sair o que gostava de executar e não conseguiu
fazer?
Daquilo
que idealizei quando assumi este lugar, fica uma mágoa por não ter conseguido
arranjar um espaço público junto à Barragem da Aguieira. Temos do nosso lado
excelentes vistas sobre a albufeira e que poderiam ser óptimas zonas de lazer.
Vivemos sempre de costas voltadas para a barragem, não aproveitando o potencial
que temos…podia ser apenas uma primeira fase e de certa forma evitar que
aqueles terrenos se encontrem como estão… Claro que apenas com o orçamento da
junta não seria possível fazer algo digno…
Apesar
de não ser das competências da Junta de Freguesia, o saneamento continua num
impasse. O Município de Penacova tem concluído a sua parte, mas a construção da
ETAR, da responsabilidade das Aguas do Mondego, continua por fazer.
E qual a obra que mais o satisfaz?
 A preocupação deste
executivo nunca foi de fazer grandes obras. Os grandes investimentos foram sem
dúvida em pavimentações de estradas e construção de valetas e passeios. Depois
foi a manutenção dos nossos espaços públicos, parque de lazer, cemitério,
escola, limpezas de ruas…
Mas o que mais me satisfaz destes anos de mandato foi as
actividades que se foram realizando e que contamos sempre com a adesão das
pessoas. O Dia da Freguesia é disso um exemplo, mas também a Apanha da
Azeitona, o Dia da Criança, Música no Parque entre outras. Conseguir unir; as
pessoas sem se olhar a cores políticas, clubísticas ou outras, foi sem dúvida a
maior satisfação, para mim, como Presidente de Junta.
Transcrição de Pedro Viseu