EN 110 continua fechada e sem data para reabrir a circulação

0
2
Já passou mais de uma semana e o cenário da derrocada na
Estrada Nacional (EN) 110 continua na mesma. As pedras de grande porte que
caíram perto de Foz Caneiro, Penacova, continuam a ocupar a via, que se
encontra totalmente encerrada à circulação. Continua também por saber quando é
que a estrada poderá ficar desimpedida e quais são os reais perigos de nova
derrocada.


Fonte da Estradas de Portugal (EP), garante penas que «ainda não há condições de segurança para remover as pedras
da via» e não há, sequer, uma previsão de quando tal poderá acontecer. «A EP
tem mantido informadas as entidades locais e ainda não é possível, em condições
de segurança, proceder à remoção das pedras», refere a mesma fonte. Ao
presidente da Câmara de 
Penacova, o director de Estradas, «em conversa», apontou o
final desta semana como prazo para a conclusão do projecto de intervenção, para
se decidir, então, «que decisões tomar para a reabertura da via», explicou Humberto
Oliveira.
Certo é, garante o autarca, que até ao dia de ontem não
havia qualquer informação pelo que hoje irá tentar «um contacto» com o director
de Estradas. Preocupante é também, segundo Humberto Oliveira, o transporte
público pela Transdev, que, naquela zona tem muitos utilizadores, que está a ser
feito pela EN17, por Poiares, e que demora «uma hora a mais que o normal».
Defende, por isso, uma «articulação» com a Transdev no sentido de encontrar «novos
horários». As populações de Caneiro, Rebordosa e Chelo (Penacova), são as mais afectadas,
tendo como alternativas na sua deslocação a Coimbra o IP3, a EN17 ou subir a
serra de Lorvão e entrar na cidade pelo Tovim
Apelo à mobilização
A
«falta de informação» por parte da EP e o «corte demorado» da estrada levou um
munícipe – Jorge Neves – a apelar à mobilização dos utentes, amanhã, 
às
15h00, junto ao Caneiro, «para manifestar a sua indignação e articular acções
futuras caso a estrada permaneça encerrada, que pode passar por uma deslocação
em auto-caravana até à Delegação da Estradas de Portugal em Antanhol, Coimbra, na
próxima semana», lê-se num comunicado.