ER235 – Estrada regional em Penacova continua a ceder com a chuva

0
0
Chuva tem provocado danos na via que está
condicionada há um ano. Pesados estão proibidos de passar, esperando-se que a
obra possa começar em breve.


A chuva intensa que tem caído está a provocar aluimentos
na ER235 que, recorde-se, está com trânsito condicionado há cerca de um ano em
virtude do desabamento de terras. Nos últimos dias a situação piorou, o que
motivou uma deslocação, ao local, dos Bombeiros Voluntários de Penacova e do presidente
da Câmara de Penacova, acompanhados por técnicos da autarquia, para nova
avaliação ao estado da via. Tomaram-se medidas adicionais e os pesados estão, desde
sexta-feira, impedidos de circular.

«Com esta chuva que tem caído tem-se notado que o estado de
degradação se tem acentuado», explicou o comandante dos Bombeiros de Penacova,
falando em «aluimento contínuo» da via naquele ponto, entre o Largo de Dona
Amélia, em Penacova, e a localidade da Ponte.

Há cerca de um ano, quando o talude cedeu, a via esteve
totalmente encerrada ao trânsito, abrindo, meses mais tarde, apenas à
circulação de ligeiros por uma das faixas. Mas os veículos pesados, ainda
assim, continuaram a passar. Desde sexta-feira, contudo, que a autarquia procedeu
a um estrangulamento da via e à colocação de separadores de betão, para impedir
a passagem de pesados. Uma «decisão técnica», diz o comandante António Simões, afirmando
que, mantendo-se o mau tempo é impossível assegurar a estabilidade do local.
«Ninguém pode garantir a segurança dadas as condições atmosféricas», afirma.

O presidente da Câmara de Penacova, confirma, igualmente, a
instabilidade dos terrenos. «Continua a ceder, o que não é de estranhar, atendendo
à pluviosidade», diz Humberto Oliveira, que não deixa de lamentar a necessidade
de a autarquia ter tido de tomar uma medida adicional, que já estava no terreno
mas não era respeitada pelos condutores dos veículos pesados.

O concurso público para a reparação de via já se realizou  e a obra já está adjudicada. «Estamos a avaliar algumas condições com o empreiteiro, mas todo o
processo concursal está concluído», assegura o autarca, acreditando que, no
máximo em Abril, a obra estará a decorrer, com um prazo de execução de seis
meses. Está previsto um investimento de 620 mil euros, e a não serem
encontradas formas de financiamento, terá de ser o município a suportar os
custos da obra. A solução encontrada, segundo Humberto Oliveira, passa por uma
solução de «pregagens» nos taludes de ambos os lados da estrada, semelhante à
intervenção feita nos taludes do IP3, em que é feita a injecção de betão para o
interior do talude que é, depois, amarrado a zonas seguras.

Entretanto, os moradores de duas casas que há um ano foram
afectados pela derrocada continuam sem poder regressar a casa e só o farão, diz
Humberto Oliveira, quando a obra estiver concluída e «os terrenos
estabilizados»