MOSTEIRO DO LORVÃO – Órgão histórico devolvido à fruição pública

0
6



Apenas uma pequena parte das pessoas
que na noite de sábado esteve na inauguração do órgão histórico do Mosteiro de
Lorvão alguma vez terá ouvido o seu som. Mesmo entre os habitantes de Lorvão
(Penacova), porque o órgão esteve “calado” por praticamente meio século. A
expectativa era, por isso, elevada.

Tanto mais porque aquele que é
considerado como o maior órgão histórico construído em Portugal no século XVIII
passou por um processo complicado de mais de duas décadas, desde que se
iniciaram os trabalhos de restauro e recomposição mecânica. Quando na noite de
sábado se ouviram as primeiras notas bateram-se palmas na lotada igreja do
Mosteiro.

«Há muitos anos se fala nisto. Sinto-me
satisfeita, tive até vontade de chorar
», dizia, à saída do concerto inaugural,
Graciana Assunção, uma lorvanense que nunca tinha ouvido o tão falado órgão de
quatro mil tubos do Mosteiro de Lorvão. 
Semelhante «alegria» espelhava Alice
Almeida que, com idade «para lá dos 80», só ouviu o órgão «há muitos anos»,
tantos, que já nem se recorda bem. O concerto, garantiu, «foi lindo».

Dois testemunhos que mostram a
satisfação da comunidade em ver devolvido o órgão histórico. Mas todo o povo o demonstrou
porque a igreja do Mosteiro foi ornamentada com flores, fruto de um colecta na freguesia
que até o padre Pedro Miranda desconhecia. E isso, afirmou o pároco, demonstra «a
alegria do povo». Numa cerimónia repleta de assistência – tanto do lado da igreja
como do lado do Coro – ouviram-se as composições saídas das mãos dos organistas
João Vaz e Harald Vogel. O som saiu de igual forma para os dois lados porque se
há particularidade que se pode apontar ao órgão de Lorvão é o facto de ter duas
fachadas. A obra foi projectada pelo organeiro e escultor Manuel Teixeira de
Miranda e concluída pelo filho António Machado e Cerveira, em 1795. O trabalho
escultórico é do escultor Machado de Castro, também filho de Teixeira de
Miranda.

«Devolver à fruição pública a sonoridade
daquele que é um expoente maior de entre os órgãos históricos nacionais, único no
seu género na Península Ibérica enche-nos de especial satisfação», considerou o
secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, que homenageando uma
«plêiade de artistas do século XVIII» não deixou de destacar os restauradores que
«em pleno século XXI se dedicaram a dar vida àquele que é considerado o rei dos
instrumentos musicais do século XVIII». O Mosteiro de Lorvão, «enquanto foco
polarizador de cultura» iniciou «uma nova etapa», disse ainda. Dinarte Machado,
mestre organeiro, foi o responsável pelos trabalhos. Ao entregar a “chave” do
órgão, lembrou que nos mais de 1000 órgãos em Portugal, pouco mais de 100 são representativos
da escola de organaria portuguesa. É preciso, alertou, «salvar» estas peças e, para
tal «formar jovens» que o possam fazer.

Satisfeito pelo culminar do processo
«de décadas», o presidente da Câmara de Penacova, Humberto Oliveira, lembrou que
o restauro do órgão se junta a outras obras – restauro dos claustros e
construção de um Museu – que agora «é necessário valorizar»

Milhões para o património português

A recuperação do órgão histórico do
Mosteiro de Lovrão custou 650 mil euros e foi possível graças a uma candidatura
ao programa comunitário Mais Centro. O secretário de Estado da Cultura destacou
esse valor, mas falou também dos «mais de 20 milhões de euros» em 2013 e «já
mais de 12 milhões de euros em 2014» que o Estado disponibilizou para o
restauro e conservação do património monumental português. «Não podemos ignorar
a importância dos tesouros artísticos portugueses», frisou.

Margarida Alvarinhas – Diário de Coimbra

Veja mais fotos na nossa página do facebook