PORDATA – Penacova, Peniche e Cantanhede vencem concurso PORDATA/RBE 2014

0
3
Alunos do ensino secundário de
Cantanhede, Penacova e Peniche, foram os grandes vencedores do concurso
promovido pela Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), em parceria com a
Rede de Bibliotecas Escolares (RBE), e receberam ontem os respectivos prémios
(um iPad), na Escola Avelar Brotero, em Coimbra.
Em quarta edição, o concurso destinava-se
a trabalhos efectuados com recurso à PORDATA, base de dados de Portugal criada
pela FFMS há cinco anos. O objectivo do concurso, contextualizou ontem Nuno
Garoupa, presidente da fundação, foi o de fazer chegar às camadas mais jovens
um conjunto de informações e de instrumentos que contribuam para a sua
formação.
O objectivo foi conquistado, chegando
a milhares de alunos e hoje, assumiu, «a PORDATA estabeleceu-se como instrumento
de ensino». O sucesso da iniciativa permite antever o prolongamento da
pareceria entre a FFMS e a RBE, muito provavelmente noutro formato.
Também presente na sessão de entrega
de prémios, a coordenadora da RBE, Manuela Pargana da Silva, destacou as possibilidades
que a PORDATA introduz, permitindo novas metodologias e formas de trabalho, antes
de considerar que a «literacia estatística não tem sido das melhores tratadas»
no ensino.
A construção do saber através de dados
estatísticos, como sintetizou Maria Valente Rosa, directora da PORDATA,
resultou em três trabalhos elogiados pelos presentes. De temas diversificados –
geografia, filosofia e economia – «mas que se cruzam», como diria Manuela Pargana
da Silva, perspectivando que no futuro os trabalhos desenvolvidos resultarão no
acompanhamento das respectivas temáticas com uma 
abordagem mais interventiva por parte
dos alunos.
Os trabalhos distinguidos incidiram em
temas actuais e prementes da sociedade portuguesa. Isa Vieira e Marta Vieira,
então alunas do 12.º ano da Escola Secundária de Peniche (hoje no ensino
superior) elaboraram, em colaboração com a professora Anabela Lino, um vídeo em
que analisam a natalidade. “Onde andam os bebés?”, ao apresentar dados
comparativos entre regiões, a par da reflexão crítica de condicionamentos e
possíveis soluções.
Os alunos David Alves, Diogo Silva e
Diogo Gomes (Filosofia do 10.º do Agrupamento de Escolas de Penacova) também partiram
de uma interrogação – “Solidão inerente ao envelhecimento: situação inevitável
e natural ou atentado à dignidade humana?”. Com o apoio das professoras
Adelaide Claro e Lurdes Dias, observaram vários vectores da problemática, com as
conclusões a não deixarem de fora o egoísmo social como uma das causas da
solidão.
“Qualificação e desenvolvimento económico”
foi o tema do terceiro trabalho distinguido. Gustavo Guerra, João Branco e Nuno
Neto (Economia do 12.º ano, Escola Secundária de Cantanhede) apuraram, com a
orientação dos professores José Manuel e Isabel Bernardo, a relação entre o sistema
educativo e o desenvolvimento económico. O maior nível formativo não tem contribuído
necessariamente para a melhoria económica num país em que o tecido económico tem
dificuldade em absorção da mão-de-obra qualificada.

Na cerimónia participaram ainda o
director-geral da Educação, Fernando Reis, e o director da Escola Avelar
Brotero, Manuel Esteves da Fonseca. | DC




DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui