CIÊNCIA VIVA – O céu de outubro

0
3
Em outubro, a Lua está em quarto crescente
logo no dia 1. E ao pôr-do-Sol desse dia, os planetas Saturno e Marte estarão
próximos do horizonte, a Sudoeste. Saturno estará 15 graus acima do horizonte,
mas ao longo do mês irá ficar cada vez mais baixo, deixando de ser visível para
o final de outubro. Quanto a Marte, estará pouco mais alto no dia 1, cerca de
19º acima do horizonte, mas mantem essa altura ao anoitecer durante todo o mês.

No dia 7, Urano estará em oposição, ou seja,
do lado oposto ao Sol, no céu. Este planeta é de difícil observação, pois só é
visível com binóculos e em céus escuros. Infelizmente a Lua estará Cheia no dia
seguinte e está demasiado próxima do planeta, transformando o que já é difícil
de observar, em praticamente impossível. Mas quem espera, sempre alcança.
Saltando para a noite de 12 para 13, já a Lua
estará longe o suficiente de Urano para tentarem encontrá-lo. Mas como o
planeta só nasce por volta das 20h00, podem aproveitar essa hora para se
orientarem, graças ao Triângulo de Verão.


Este asterismo (ou seja, uma “constelação” não
oficial) é formado pelas estrelas mais brilhantes das constelações da Lira,
Águia e Cisne (respetivamente, Vega, Altair e Deneb). O “de Verão” deste
triângulo vem de estas três estrelas estarem praticamente por cima das nossas
cabeças, ao início da noite, lá para o meio de Agosto.

Mas no início do Outono, este grande triângulo
no céu serve também para nos orientar, pois ao início da noite, parece um
enorme seta a apontar para Sul. E é exatamente nesta direção que estará Urano,
cerca de 5 horas depois. Para o encontrar, basta apontar uns binóculos para a
constelação dos Peixes, mais ou menos a meio caminho entre o horizonte e a
estrela brilhante mais baixa do “W” da constelação de Cassiopeia.

Dia 15, a Lua chega ao quarto minguante e dia 18
estará a apenas 6 graus de Júpiter, que nasce por volta das 2 da manhã. A Lua
Nova ocorre no dia 23.

E dia 26 Portugal volta à hora de Inverno, por
isso há que atrasar a hora. No Continente e na Madeira, atrasam-se 60 minutos
às 2 da manhã (passa a ser 1 da manhã), enquanto nos Açores, atrasa-se uma hora
há 1 da manhã (passando a ser meia-noite).

No dia 28, a Lua passa a 6 graus de Marte. No dia 31, a Lua volta ao quarto
crescente.

Ainda de notar que este mês tem duas chuvas de
meteoros. As Dracónidas têm máximo previsto para dia 8, mas a visibilidade
desta chuva será fortemente afetada pela Lua Cheia. Já as Oriónidas, com máximo
previsto para a madrugada de dia 21, têm previstos cerca de 20 meteoros por
hora.
Boas observações.
Ricardo Cardoso Reis (CAUP) – © 2014 – Ciência na Imprensa Regional / Ciência
Viva
 


LEGENDAS DAS FIGURAS:
Figura 1: O Triângulo de Verão, a apontar para Sul, ao início da
noite do dia 12.
(Imagem:
Stellarium/Ricardo Cardoso Reis)
Figura 2: O céu virado a Sul, por volta da uma da manhã do dia 13. A essa hora, Urano estará
a passar a Sul, e em céus escuros, poderá ser observado com binóculos.
(Imagem:
Stellarium/Ricardo Cardoso Reis)
Figura 3: Radiante das Oriónidas, por volta das 6 da manhã do dia
21. Também por perto, na constelação do Caranguejo, estará o planeta Júpiter.
(Imagem:
Stellarium/Ricardo Cardoso Reis)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui