REGIÃO DE COIMBRA – Mostra de Doçaria Conventual no Convento de Sant´Anna

0
7
Hoje e amanhã Mostra de Doçaria Conventual e Regional
mobiliza mais de 30 empresários. Conferências, provas e actuações completam o
programa
O Quartel da Brigada de Intervenção (antigo Convento de
Sant’Anna) recebe hoje e amanhã cerca de três dezenas de estabelecimentos
comerciais ligados às áreas de doçaria e pastelaria, provenientes de Coimbra e
de outras regiões de norte a sul do país, bem como uma representação de
Alicante (Espanha) e ainda Associações e Confrarias do ramo.
O motivo para esta “concentração” é a VI Mostra de Doçaria
Conventual e Regional de Coimbra, cuja abertura oficial está marcada para as
15h00 de hoje com a apresentação do registo da Marca Colectiva de Associação
(MCA) “Arrufada de Coimbra”. Segundo a autarquia, este será um primeiro passo
para o registo europeu do doce de Coimbra, «que permite aos produtores
acautelarem e impedirem o uso abusivo do nome, ao mesmo tempo que aprofundam o
conhecimento sobre o produto e sobre a gestão, em conjunto, do uso deste património
cultural».
Às 16h30 terá lugar uma conferência intitulada “A essência
do doce: o açúcar e o mel na história da alimentação”, com a intervenção das
investigadoras Inês de Ornellas (Universidade do Minho), que intervirá sob o
tema “Deuses, médicos e gulosos: mel e outros açucares para o corpo e para a
alma”, e Anabela Barros (Universidade de Coimbra), que abordará a temática “Mel
e açúcar nas receitas dos Descobrimentos: do códice 142 do Arquivo Distrital de
Braga ao códice 10763 da Biblioteca Nacional de Portugal (sécs. XVI-XVIII)”.
A Rábula Satírica, de 1727, “Suplício dos Deuses”, escrita
por Silvestre Aranha (padre jesuíta e professor de Teologia), é representada às
17h30, pela companhia de teatro Bonifrates. Este primeiro dia termina com a
actuação, a partir das 21h00, da Fanfarra da Brigada de Intervenção e do Coro
Misto e Trovadores do Mondego.
Ligada à tradição doceira era habitual a realização de
outeiros ou abadessas. É esse tipo de recitais poéticos, feitos junto às
portarias dos Conventos femininos, que o Teatro Amador de Ribeira de Frades
representará, às 16h30 de amanhã. Segue-se, às 17h00, o espectáculo “Músicas de
Sempre”, por Sara Travassos e Tiago Cordeiro. E a animação termina com uma actuação
da Tuna de Medicina, a partir das 18h00, sendo que o certame encerra às 19h30.
Paralelamente, segundo o Município, decorrem várias “provas
comentadas” (hoje às 18h30 e amanhã às 11h00 e 15h00).| DC

PROGRAMA
Dia 4, sábado – Horário: 15h00 – 22h00
15h00 – Abertura Oficial
Apresentação do Registo da Marca Coletiva de Associação “arrufada de Coimbra” como primeiro passo para a qualificação dos doces conventuais de Coimbra.
15h30 – Visita ao Certame
16h30 – “A essência do doce: o açúcar e o mel na história da alimentação”
Deuses, médicos e gulosos: mel e outros açúcares para o corpo e para a alma
Inês de Ornellas e Castro/ Universidade Nova de Lisboa
Mel e açucar nas receitas dos Descobrimentos: do códice 142 do Arquivo Distrital de Braga ao códice 10763 da Biblioteca Nacional de Portugal (sécs. XVI-XVIII)
Anabela Barros/Universidade do Minho
Moderadora: Maria Helena da Cruz Coelho
17h30 – Suplício dos Doces
Rábula Satírica de 1727, escrita pelo Padre Jesuíta e Professor de Teologia, Silvestre Aranha, onde os doces de Coimbra são chamados a um Tribunal Académico pelo mal que faziam aos estudantes (Manuscrito da B.G.U.C.)
Representação pela Bonifrates, Cooperativa de Produções Teatrais e Realizações Culturais, C.R.L.
18h30 – Provas Comentadas
Dar a provar e a conhecer os doces conventuais e tradicionais
QUALIFICA com a colaboração dos doceiros presentes na Mostra.
21h00
Fanfarra da Brigada de Intervenção
Coro Misto e Trovadores

Dia 05, domingo – Horário: 10h00 – 19h30
11h00 – Provas Comentadas
Dar a provar e a conhecer os doces conventuais e tradicionais
QUALIFICA com a colaboração dos doceiros presentes na Mostra.
15h00 – Provas Comentadas
Dar a provar e a conhecer os doces conventuais e tradicionais
QUALIFICA com a colaboração dos doceiros presentes na Mostra
16h30 – Recriação de um Outeiro


Ligada à tradição doceira era habitual a realização dos outeiros ou abadessados. Eram recitais poéticos, habitualmente noturnos, onde junto às portarias dos Conventos femininos, devidamente engalanados para o efeito, se juntavam lentes, estudantes, poetas e fadistas. Estes freiráticos apinhavam-se nos adros esperando que pelas grades do convento as religiosas dessem o mote que seria depois desenvolvido pelos presentes em versos, sonetos ou outras criações melódicas.

Nos conventos femininos de Santana, Santa Clara, Celas, Sendelgas, ou Tentúgal, procuravam os estudantes amores, suspiros e poesia e doces. No final e como escreve Almeida Garrett ” mui gulloso doce as madres nos davam”. Ou seja, cada Convento oferecia as suas especialidades doceiras.

Representação pelo Teatro Amador de Ribeira de Frades

17h00 – Musicas de Sempre
Sara Travassos e Tiago Cordeiro
18h00 – Tuna de Medicina da Universidade de Coimbra
19h30 – Encerramento

Participantes:
A Brasileira I Coimbra
Confraria dos Sabores de Coimbra I Coimbra
Café Santa Cruz I Coimbra
Pastelaria Briosa | Coimbra
Pastelaria Moinho Velho | Coimbra
Pastelaria Tamoeiro | Coimbra
Pastelaria Tosta Rica | Coimbra
Pastelaria Vasco da Gama | Coimbra
Pastelaria Vénus | Coimbra
APOMA – Associação de Produtores de Ovos Moles de Aveiro | Aveiro
Associação de Produtores do Pão de Ló de Ovar | Ovar
Brisadoce I Amarante
Casa de Encosturas | Cabeceiras de Basto
Casa do Bolinhol | Caldas de Vizela
Casa dos Doces Conventuais| Alcobaça
Casa do Pão de Ló | Alfeizerão
Confeitaria Jesuítas e Limonetes | Santo Tirso
Confeitaria Santa. Luzia/Fábrica de Pão de Ló | Figueiró dos Vinhos
Confraria do Bolo de Ançã | Ançã
Confraria da Doçaria Conventual I Tentúgal
Delícias do Castelo | Santa Maria da Feira
De Maria Doçaria I Leiria
Doce História I Braga
Doçaria Ponto Rebuçado | Leiria
Doçaria Paula Rosa | Reguengos de Monsaraz
Douro’s Flavours | Lamego
Licores de Alcobaça I Alcobaça
Mosteiro de São Martinho de Tibães I Mire de Tibães
Mosteiro do Louriçal I Pombal
Pastelaria Bijou | Santarém
Pastelaria O Mosteiro | Lorvão
Pastelaria Queijadinha | Pereira
Pão de ló de Margaride/Antonio Lopes I Felgueiras
Rebuçados da Régua I Régua

Participação Internacional
Francisco Vives Muñoz I Alicante