ACIDENTES – Dois despistes no IP3 marcaram o dia dos Bombeiros de Penacova

0
2
Numa só tarde, dois acidentes envolvendo viaturas pesadas no IP3 e a escassos quilómetros de distância um do outro. Depois do despiste do camião que tombou para a estrada de acesso à empresa Caldas de Penacova, pelas 16h00 era dado novo alerta aos Bombeiros Voluntários locais, para outro despiste de um veículo pesado, desta vez na ponte do Cunhedo, ao quilómetro 68.

1º Despiste

Um camião, carregado com 24 toneladas de pasta de papel, despistou-se
ontem no IP3, em Penacova, indo tombar numa estrada paralela, que ficou
intransitável. O alerta foi dado às 12h00 e, durante todo o dia, equipas
trabalharam na trasfega da carga e na remoção da viatura.
O despiste, segundo o comandante dos Bombeiros Voluntários de
Penacova, envolveu um veículo pesado da empresa Eurosamarro, de Oliveira do
Bairro, que transportava pasta de papel da Figueira da Foz tendo como destino
Espanha. Na zona de Penacova, o veículo embateu no separador central e galgou o
IP3, caindo de uma altura de cinco metros, para tombar na única via de acesso
de veículos pesados à empresa das águas Caldas de Penacova.
O camião era conduzido, segundo António Simões, por um homem de 47
anos, residente em Aveiro, que, apesar da queda e do aparato, sofreu apenas
ferimentos ligeiros e «saiu pelos próprios meios» da viatura. Foi transportado
aos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) como medida de precaução.
Segundo o comandante do Destacamento de Trânsito de Coimbra da
GNR, Sandro Oliveira, a circulação no IP3 esteve parcialmente cortada durante meia
hora, uma vez que foi necessário aos militares e bombeiros remover os destroços
da via, já que, ao embater no separador central, o camião projectou pedaços de
betão, inclusivamente, para a faixa contrária. «Nessa altura, um dos carros a
passar furou dois pneus», disse Sandro Oliveira.
As causas do despiste estão por apurar, sendo certo que, segundo o
comandante da GNR, na altura da ocorrência a chuva caía com intensidade.

O veículo esteve imobilizado na via ao longo de todo o dia, impedindo
a saída de camiões da empresa Caldas de Penacova. Segundo Urbano Marques, administrador
da empresa, ontem, a meio da tarde, estavam 30 camiões parados na empresa, cada
um com uma carga de 24 toneladas de água, a aguardar que a estrada fosse
desimpedida e pudessem seguir marcha. «Estamos intransitáveis. Não recebemos e não
expedimos», dizia ontem Urbano Marques, falando num prejuízo «bastante grande» para
a empresa, com «contratos que não vão ser cumpridos» porque não saem camiões de
mercadoria.
Pouco depois das 22h00 os Bombeiros de Penacova, com a ajuda de
uma grua, ultimavam «a trasfega da pasta de papel». Parte do camião já estava sobre
um “porta-máquinas”, de acordo com o comandante dos Voluntários, para seguir o “seu
destino”. Apesar das dificuldades da operação, António Simões acreditava que a
situação estaria resolvida «dentro de meia hora», permitindo a reabertura da
via de acesso à empresa Caldas de Penacova.

2º Despiste


Segundo o
comandante dos Bombeiros de Penacova, tratou-se de um «aparatoso» despiste, do
qual resultou um ferido politraumatizado, o condutor da viatura, que foi
transportado para os Hospitais da Universidade de Coimbra.
Ainda segundo
António Simões, o homem estava encarcerado na cabine do camião e só meia hora
depois do início dos trabalhos é que os bombeiros conseguiram retirá-lo, uma
vez que uma das portas do camião estava virada para o rio e a outra não abria
porque o camião fez efeito tesoura. «Tivemos de arranjar abertura», explicou
António Simões, frisando que o camião circulava vazio e esse foi um factor que
minimizou o acidente. Caso contrário, a carga poderia ter projectado a viatura
para o rio.
O camião
circulava no sentido Coimbra-Viseu quando se despistou e «atravessou a faixa
para o lado contrário». À noite, permanecia no local e o trânsito no IP3
condicionado. Para o local os bombeiros deslocaram sete homens com uma
ambulância, viatura de desencarceramento e carro de comando.
| Margarida Alvarinhas