AUTOMOBILISMO – Pulsações fortes no bastião da Atalhada

0
3
O
prometido é devido. Depois de um curto “namoro”, a Extra Motion e o OffRoad
Portugal deram o “nó” no “altar” da Serra da Atalhada, com Pedro Matos Chaves a
apadrinhar o “protocolo”. Entre curvas e contracurvas e muito pó à mistura, o pentacampeão
Pedro Rosário que já soma cinco títulos nacionais de kartcross, também não
faltou às festividades de Penacova.

Muitos
outros pilotos deram largas à alegria de integrar a “etiqueta” da aceleração
descomunal da Atalhada, com particular ênfase para os irmãos Ludgero e Luís
Santos, estendendo-se a Pedro Almeida, de apenas 17 anos, aos quais se juntaram
outros convidados, tais como Ivo Monteiro, navegador de Ludgero Santos no todo-o-terreno.
A “festa”
começou com o antigo piloto de Fórmula 1 e bicampeão nacional de ralis a tomar o
pulso aos veículos de offroad. Matos Chaves multiplicou- se pelo traçado ao
volante de máquinas diferenciadas pelas disciplinas do desporto automóvel e
cavalos.
O
Renault Twingo R2 abriu as “hostilidades”. No banco direito do carro da marca
francesa do losango sentou-se Pedro Almeida, o jovem nortenho de menor idade
que se estreou no início da presente temporada no ralicross. Pedro Matos Chaves,
que desempenhou o seu papel na perfeição, “viajou” no tempo para recordar os momentos
áureos aquando da sua passagem pelos ralis.
A
adrenalina, que nunca esteve arredada do traçado rápido da Atalhada, ganhou
novo fôlego quando Pedro Matos Chaves “domou” o Renault Clio com cerca de 500
cavalos de potência, com o qual o francês Dany Moreau alinhou no Campeonato de
Ralicross este ano. Depois seguiram-se o Semog da Energia Racing Team, de Coimbra,
do pentacampeão Pedro Rosário, e o Super Buggy “Toniauto”, também de Coimbra, mas
de Luís Santos.
«O
traçado da Atalhada é, simplesmente, espectacular», foi assim que Pedro Matos
Chaves saiu de Penacova. À pergunta para um regresso, o portuense foi
peremptório na resposta: «Amanhã já é tarde». | Carlos Sousa