GASTRONOMIA – Federação distingue confrarias com prémio de “boas práticas”

0
4

«Depois de muito pedir, é tempo de dar».
Quem o diz é Olga Cavaleiro, presidente da direcção da Federação Portuguesa das
Confrarias Gastronómicas, a propósito do prémio “Boas Práticas para a
Valorização da Gastronomia”, que hoje é apresentado. Trata-se de «um estímulo
para as confrarias», considera, elogiando o trabalho feito «em prol da
valorização da gastronomia» e salientando a forma «extraordinária» como têm respondido
às crescentes solicitações.
Com efeito, «fruto de um conjunto de
parcerias, públicas e privadas, a Federação tem vindo a solicitar muito
trabalho às confrarias», reconhece Olga Cavaleiro, assumindo que estas se têm
multiplicado nas suas tarefas e diversificado funções, que vão muito para além
da promoção dos produtos gastronómicos, envolvendo- se «no desenvolvimento económico
local, na promoção do património material e imaterial». Um desempenho que,
enfatiza, «vai muito além da representação da confraria e da promoção dos
produtos gastronómicos», pois «exige trabalho, exige pesquisa » e «isso tem
sido feito» de uma forma exemplar e «com grande profissionalismo ».
Olga Cavaleiro dá, de resto, um
exemplo prático, com a parceria com a Direcção Geral 
da Agricultura a propósito do inventário
dos produtos tradicionais associados às confrarias. O protocolo foi assinado, recorda,
a 28 de Outubro, em Santarém, e «até 15 de Dezembro tínhamos respostas de 50 confrarias».
Um exemplo de eficiência e eficácia, que a presidente da Federação enaltece e
«impressionou» este organismo ligado ao Ministério da Agricultura.
E porque «não se pode só pedir », a
Federação está, agora, «disposta a dar» e a «premiar esse bom trabalho», num
registo de «incentivo às melhores práticas para a valorização da gastronomia».
O título do prémio consagra isso mesmo:  “Boas
Práticas para a Valorização da Gastronomia”, que conta com o patrocínio da
Turismo Centro de Portugal. Um prémio no valor de mil euros, verba que, não
sendo, reconhece a presidente da Federação, «particularmente significativa »,
acaba por ser «uma ajuda» para o universo das confrarias, onde reina o
voluntariado e a boa-vontade, mas o dinheiro nunca sobra.
O prémio é apresentado hoje, numa
cerimónia a realizar nas instalações da Turismo Centro de Portugal, em Aveiro, ao
final da tarde, onde serão explicados todo os pormenores do processo de
candidatura. Certo é que todas as confrarias gastronómicas que fazem parte do
universo da Federação – actualmente num total de 80 -podem candidatar- se. A
excepção, ressalva Olga Cavaleiro, é a Confraria da Doçaria Conventual de
Tentúgal (de Tentúgal, Montemoro-Velho) da qual a presidente da Federação é
também a primeira responsável e que, por isso, fica “fora” desta corrida.
O desafio lançado a cada uma das
confrarias é «dizerem- nos o que fariam com mil euros», tendo em conta as boas práticas
e a valorização da gastronomia, sintetiza Olga Cavaleiro, satisfeita, também,
por sentir que «algumas confrarias que estavam mais adormecidas, têm vindo a
despertar e a ganhar mais dinâmica».

Texto de Manuela Ventura