PATRIMÓNIO – Aniversário da trasladação das Santas Rainhas é “ano zero do futuro de Lorvão”

0
3
Programa evocativo dos 300 anos da
efeméride estende-se ao longo de oito meses e possui três pontos altos: a festa
de Santa Sancha, a festa de Santa Teresa e o aniversário da trasladação das
Santas Rainhas para os túmulos de prata.



Lorvão foi o ponto de partida de uma
(longa) viagem que vai decorrer nos próximos oito meses, mas que teve o seu
início há três séculos. Trata-se das comemorações dos 300 anos da trasladação
dos restos mortais das Santas Rainhas (Sancha e Teresa), filhas do rei D. Sancho
I, que seguiram a vida religiosa na Ordem de Cister, dos sarcófagos de pedra
para os túmulos de prata, da autoria do ourives portuense Manuel Carneiro da
Silva, em 1715.
A programação ontem apresentada no
Mosteiro, e que comporta actividades de cariz religioso e cultural, representa para
Humberto Oliveira «o ano zero do futuro de Lorvão», pelo que «estão reunidas as
condições para que a vila faça o “click” que há muito necessita para arrancar
com o processo de regeneração urbana e afirmar Lorvão como um marco de
Penacova». O autarca de Penacova sublinha que, nesse capítulo, «a Câmara assume
o papel de líder e de motor do projecto de forma a puxar pelas outras entidades
(Ministério da Saúde, Secretaria de Estado da Cultura, Diocese de Coimbra e CCDRC)
com responsabilidades no projecto global que está, intrinsecamente, ligado ao Mosteiro».
Humberto Oliveira acrescenta que o
projecto de regeneração urbana «está adiantado 
e alinhavado», por isso, cabe, agora,
«às restantes entidades fazer o seu papel», ambicionando que as comemorações dos
300 anos da trasladação das Santas Rainhas «sirva de alavanca para esse
desígnio».
As comemorações propriamente ditas
arrancam na sexta-feira, Dia da Santa Sancha, com a celebração eucarística
presidida pelo bispo auxiliar do Porto, D. João Lavrador, seguida da
recuperação de uma antiga tradição do Mosteiro de Lorvão que é a bênção e
distribuição das Padinhas de Santa Sancha.
Para o mês de Abril, a Câmara de
Penacova, entidade organizadora, em parceria com a Associação Pró-Defesa do
Mosteiro de Lorvão, dá ênfase, nos dias 17 e 18, ao dia Internacional dos
Monumentos e Sítios, este ano com o tema “Conhecer, explorar e partilhar”. Para
1, 2 e 3 de Maio várias serão as actividades de cariz cultural e religioso que
animarão a vila de Lorvão, com especial destaque para a Feira das Tradições e o
1.º aniversário de inauguração do órgão histórico restaurado. A 17 de Junho
celebra-se o dia da Santa Teresa, com a realização do concurso do bolo de Santa
Teresa e celebração eucarística presidida pelo vigário geral, padre Pedro
Miranda. Junho, Julho e Setembro terão igualmente várias actividades, muitas
delas dedicadas às crianças e jovens e sempre com o Mosteiro de Lorvão como “pano
de fundo”.

O vasto programa encerra no dia 18 de
Outubro, com a Festa das Santas Rainhas, procissão solene pelas ruas de Lorvão
e recriação histórica “Usos de Cister. Santa Teresa em Lorvão
“A
trasladação das Santas Rainhas e a expansão do seu culto” será o tema da conferência
que o historiador Nélson Correia Borges irá apresentar dia 17 de Outubro, pelas
15h00, e que tem como objectivo revelar a história das Santas Rainhas e a «importância»
que tiveram na construção do culto religioso de Lorvão. Nesse dia, e dando
continuidade às actividades de índole religiosa, às 21h00, poderá ser efectuada
a adoração do Santíssimo Sacramento, solenemente exposto.
Ricardo Busano – Diário de Coimbra