DIVISÃO DE HONRA – Futebol de bom quilate mas com duas partes distintas…

0
2
Jogo
de grande intensidade em que apenas faltaram os principais
condimentos: o sal e a pimenta, até porque os golos são a essência
do futebol


União
FC e Penelense são duas equipas bastante fortes que entraram com
bastante rapidez no jogo. Desde o início que a bola começou a
circular por todo o campo, chegando várias vezes às linhas de
baliza. O primeiro remate foi executado por Pedro Pimpão, na
sequência de um livre directo, mas com a bola a “cair” nas mãos
do guarda-redes Filipe.
Rápido,
nervoso e incisivo, o jogo acabou, no entanto, por não ter grande
primor técnico, embora a equipa do Penelense surgisse mais próxima
da baliza de Gonçalo, mas com o União FC a dar boa réplica e a
subir em contra-ataque várias vezes. Desde o início do desafio que
os jogadores da formação visitada faziam pressão cerrada sobre os
de Penela que estavam em posse da bola. E era através desses roubos
de bola que, invariavelmente, o União FC iniciava os rápidos
contra-ataques, mas pela frente encontrou sempre uma “parede de
betão”.
Aos
20 minutos, Fábio Gomes, de livre directo, executou um pontapé
muito semelhante ao que aconteceu com o irrequieto Pedro Pimpão. Aos
3 minutos, em que a bola foi parar às mãos de Gonçalo. Um lance
que permitiu ao Penelense instalar-se mais no meio-campo adversário
e a ensaiar o maior número de remates à baliza, pelo que aos 28
minutos, Yannick, surgiu sem marcação no segundo poste mas a bola
saiu ao lado.
Embora
alertado para a rapidez de procedimentos no ataque visitante, o União
FC nunca desistiu de apoquentar o último reduto adversário, em que
a melhor situação de golo aconteceu aos 29’, com Ruben, na grande
área, a pentear a bola para a lateral, em resposta a um cruzamento
na direita.
O
Penelense teve três jogadas bem gizadas, valendo na circunstância
os centrais unionistas, inviabilizando que a bola fosse parar aos pés
dos avançados adversários.
Na
segunda parte, o União FC inverteu as ordens do jogo e conseguiu
“empurrar” o Penelense para o seu meio-campo. Aos 50 minutos,
Faca e Danilo desenharam uma jogada bem urdida na direita, mas a bola
acabou por se “perder” pelo caminho, mas que serviu de aviso para
o forte caudal ofensivo dos visitados, quase sempre comandados pela
dupla Pedro Pimpão e o “capitão” Joel.
O
Penelense só aos 60 minutos é que rematou à baliza contrária, por
Filipe Pita, mas a bola tomou um rumo muito defeituoso para fora,
enquanto o União FC manteve a ligeira superioridade na posse de
bola. E foi a partir dos 70 minutos que as duas equipas criaram
várias oportunidades de golo, cabendo a Pedro Pimpão, de livre
frontal, assinar a mais perigosa, com a bola a passar junto ao poste.
Vítor
Mendonça, superiormente coadjuvado, efectuou uma excelente
arbitragem, seguindo de perto os lances.

Texto de Carlos Sousa


CLASSIFICAÇÃO 22ª JORNADA