FUTEBOL DISTRITAL – Antevisão da 23ª Jornada

0
3
Seis equipas perfilam-se para a
primeira de oito finais com vista à única vaga para a subida de divisão



O Penelense e a
Académica/SF, terceiro e primeiro classificado da Divisão de Honra da AF de Coimbra,
separados por três pontos, protagonizam, domingo, no Parque Desportivo Municipal
São Jorge, o jogo grande da 23.ª jornada da competição.
O percurso das duas
equipas é muito semelhante. À entrada para esta ronda, o Penelense tem menos
três empates e mais três derrotas que os estudantes, mas parte para esta partida,
em casa, como aliciante o triunfo pela margem mínima na primeira volta (0-1),
ao passo que a Académica assume-se como a mais concretizadora, com 49 golos.
Numa altura em que o
campeonato entra na recta final, este jogo é uma prova de fogo 
para as duas equipas: o
Penelense ambiciona regressar aos nacionais, enquanto a Académica procura a estreia
nessas andanças. Uma vitória da Académica fá-la disparar ainda mais para o
topo, mas um triunfo dos visitados provoca a colagem na classificação.
O União FC, segundo
classificado com menos dois pontos para os estudantes, também não tem a tarefa
facilitada na viagem a Febres para defrontar a formação local, quinta
classificada e com menos um jogo. Manter os índices de produção é o objectivo
das duas equipas. Os visitados, que apontam baterias para o campeonato e Taça
AFC, têm a oportunidade de “travar” a caminhada da formação de Figueira de
Lorvão, mas o técnico Cláudio Garcia terá os seus trunfos para “abater” as
pretensões do Febres.
Na Carapinheira jogam mais
duas equipas também “presas” à subida. Depois de uma quebra de rendimento no
período do Natal, o Carapinheirense encarreirou para chegar à Páscoa em forma,
no sentido de preservar a ambição de recuperar o lugar que ocupou o ano passado
nos nacionais, enquanto a Académica/OAF não quer descolar de vez dos lugares da
frente e que nos últimos compromissos tem revelado alta velocidade entre
carris.
Pampilhosense e Eirense em jornada tranquila
Já afastados das grandes
decisões estão Pampilhosense e Eirense que, domingo, na Pampilhosa da Serra, se
reencontram para um jogo de tranquilidade absoluta no miolo da tabela.
Circunstância idêntica terá a partida entre o Vigor e o Cova-Gala, em que os
visitados são os principais favoritos. O Ançã ocupa o 11.º lugar e recebe
domingo o Lagares da Beira, 12.º classificado, separados por três pontos.
Praticamente afastados do “ruído” e da “turbulência” dos lugares de descida, os
ançanenses querem “vingar” a derrota sofrida na primeira volta (2-1).
O Condeixa, com 16 pontos,
recebe o “lanterna vermelha” Arganil, com 9. Trata-se de dois conjuntos que têm
em comum a “fuga” desenfreada da despromoção, pelo que os três pontos são
disputados até ao limite. Também Touring (antepenúltimo) e Tocha (penúltimo) jogam
a baixa altitude. Embora a época balnear ainda esteja longe, as duas equipas procuram
entre si um lugar ao sol. Um escasso ponto separa as duas equipas à beira-mar plantadas.

Seis equipas “atacam” a
Honra
Com as faixas já encomendadas para
trajar o Águias, a luta pelos dois restantes lugares de acesso à Honra promete
ainda muita luta. Seis equipas perfilam- se para alcançar esse desiderato:
Vinha da Rainha e Poiares, ambos com
42 pontos mas a 11 do líder, a dividirem, a oito jornadas do termo do
campeonato, algum favoritismo. O Águias recebe o Góis, ainda candidato à
subida, mas uma vitória dos visitados coloca praticamente em KO a ambição dos
goienses. Já os segundos classificados têm uma tarefa mais em conta, embora
actuem na qualidade de visitantes: o Vinha da Rainha vai ao Complexo de
Cantanhede para defrontar o Sepins e o Poiares viaja a Pereira para medir
forças com o clube local.
Atentos a um deslize alheio estão
Brasfemes, Moinhos e Adémia. A quatro pontos dos 
lugares da subida está o Brasfemes que
joga em casa do “lanterna vermelha” Ribeirense. A jogar em casa, o S. Mamede quer
impedir um resultado positivo do Moinhos, formação que tem a subida como
encalço a seguir. Já a Adémia, que contabiliza quatro vitórias consecutivas por
2-1, desloca-se ao terreno do Gândaras numa partida de contornos difíceis. O
Lousanense defronta o Mocidade fora de portas e o S. Silvestre viaja a
Cantanhede para defrontar o Marialvas. Dois jogos que não têm reflexos no topo
da classificação, mas cujo percurso das equipas tem sido marcado por falta de consistência.

Texto de Carlos Sousa e foto de Figueiredo