SEMANA DA LEITURA – José Alberto Carvalho veio a Penacova falar e autografar o seu livro «28 Minutos e 7 Segundos de Vida»

0
3
O encerramento da Semana da Leitura em Penacova teve a presença do jornalista da TVI e nosso conterrâneo, José Alberto Carvalho, pois nasceu na Fundação Mário da Cunha Brito, em S. Pedro de Alva, passando depois parte da sua juventude entre Mouronho-Meda de Mouros e Viseu.
Veio
à Biblioteca Muni­cipal de Penacova apresen­tar e autografar
o seu livro «28 Minutos e 7 Segundos de vida», relacionado com a
doença de Manuel Forjaz, iniciativa que teve os apoios dos CTT,
responsável pela ex­pansão da obra e da Câma­ra Municipal
de Penacova.
Além
do Presidente da Câmara, Humberto Oliveira, que deu as boas-vindas e
se regozijou pela presença do considerado jornalista, tam­bém
uma representação forte dos CTT, liderada por Nuno Neves,
responsável da Zona Centro-Norte, este considerou que a sua empresa
é sensível na divulgação da literatura e por isso apoia
fortemente es­tas iniciativas.
José
Alberto de José Alber­to Carvalho debruçou-se sobre o que
escreveu e o que sente sobre o conteúdo do livro, confessando que
depois de se ligar fortemente a Manuel Forjaz, a sua vida mudou, pois
quando se diz que não está tudo inventado, falta in­ventar.
Considera que «o que transforma o mundo é aquilo que as pessoas não
acredi­tam», pois «a vida só faz sen­tido se formos
interventivos». Hoje, como disse José Alberto Carvalho, «hoje
vivemos de extremos, não sabemos uns dos outros e jamais soubemos
tão pouco como agora».
«28
Minutos e 7 Segundos de Vida», é um livro que faz perdurar a
memória de Ma­nuel Forjaz, cumpre um dese­jo e deixa-nos uma
mensagem a que devemos, muitas vezes, voltar».
Com
a Sala Leitão Couto repleta, a função seguida do
jornalista-escritor foi autogra­far as dezenas de livros
ad­quiridos, sempre com aquela boa disposição e sensibilida­de
que lhe conhecemos.
E
na dedicatória que escre­veu no livro oferecido, quando foi
lançado em Lisboa, lê-se: «O tempo é um dos maiores “adversários”
de um jornalis­ta, mas nestas páginas, espero que seja possível
encontrar alguma inspiração para al­guns segundos de vida!»