CIÊNCIA VIVA – O céu de Abril de 2015

0
1
Durante
o mês de abril, o planeta Saturno irá variar bastante. No dia 1, só
nasce por volta da uma da manhã, mas no fim do mês, já aparece
acima do horizonte pelas 22h30, a Este.



Quanto
a Júpiter, já começou a sua aproximação ao planeta Vénus, um
encontro que está marcado para o último dia de junho. Durante o mês
de abril, os dois planetas irão aproximar-se mais de 30 graus.


Dia
4 será altura de Lua Cheia e também de eclipse total da Lua.
Infelizmente, como ocorrerá entre as 10h00 e as 16h00, não será
observável na Europa.


Com
um movimento de cerca de 12 graus por dia (aproximadamente um palmo)
no céu, o nosso satélite passará a apenas 4 graus de Saturno no
dia 8, atingirá o quarto minguante no dia 12 e a Lua Nova no dia 18.


Dia
21, os dois objetos mais brilhantes do céu à noite, a Lua e o
planeta Vénus, estarão a 7 graus um do outro.




O
dia seguinte traz um desafio, dirigido apenas aos mais persistentes e
observadores. Ao anoitecer, os planetas Mercúrio e Marte estarão a
cerca de 1 grau de distância um do outro. Infelizmente, com Marte a
afastar-se cada vez mais da Terra (atinge o apogeu em julho), o
planeta vermelho estará pouco brilhante, e só deverá ficar visível
pelas 21h00, altura em que os dois planetas estarão a apenas 5 graus
acima do horizonte.

Mais
fácil de observar será o máximo da “Chuva de Estrelas” das
Líridas, que ocorre na noite de 22 para 23. O nome deve-se ao fato
do radiante (ponto de onde parecem emanar os meteoros) desta “chuva”
estar na constelação da Lira.


Este
ano será propício à observação das Líridas, pois a Lua não
iluminará demasiado o céu, e irá pôr-se por volta da meia-noite.
Quanto ao número de meteoros por hora, embora estejam previstos
apenas 18 (em céus escuros), esta chuva já deu origem a alguns
surtos inesperados, que chegaram aos 90 meteoros por hora.


E
o dia 23 será de celebração. Nesse dia, museus e centros de
ciência um pouco por toda
a Europa
irão realizar eventos comemorativos dos 25 anos do
Telescópio Espacial Hubble. Todos eles terão em comum a revelação
de uma imagem inédita do Hubble, com cerca de 3 metros, que em
Portugal ocorrerá no Planetário
do Porto
e no Planetário
Calouste Gulbenkian
. Ambos os eventos são coorganizados pelo
Instituto de Astrofísica e Ciências
do Espaço
(IA).


Quase
a terminar o mês, no dia 26, a Lua em quarto crescente passa a cerca
de 6 graus de Júpiter.

Boas
observações.
Ricardo
Cardoso Reis (Planetário do Porto e IA)
Ciência
na Imprensa Regional – Ciência Viva

Figura 1 – O céu virado a Este, às 00h30 do dia 23 
Figura 2 – Foto do Telescópio Espacial Hubble em órbita, no dia 25 de abril de 1990