CULTURA – Luís Reis Torgal lança novo livro

0
2

O
historiador Luís Reis Torgal escolheu a Casa Municipal da
Cultura de Coimbra, para a apresentação do seu mais recente
livro “
História,
que História?
“.
A sessão de apresentação da obra está a cargo de Fernando Catroga, da
Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e 
decorre no próximo dia 23 de abril,pelas 17h30.
O
livro “História,
que História?
”,
foi referência na TSF, no programa “O Livro do dia”, de Carlos
Vaz Marques, na edição do passado dia 23 de março.
Atualmente, o historiador Luís Reis Torgal vive em Penacova, é professor universitário jubilado
da Universidade de Coimbra, tendo pertencido ao Instituto de História
e Teoria das Ideias. É  também coordenador de investigação do Centro de
Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra
(CEIS20), tendo sido director da 
Revista
de História das Ideia
s
e da revista 
Estudos
do Século XX
.
Descrição: História,
que História?
«Não
são abundantes os livros, nem mesmo os artigos, em que o historiador
português reflete sobre a História que faz e que os outros
historiadores fazem ou, na generalidade, sobre o conceito de História
na sua conceção historiográfica, ou na sua aceção teórica ou
filosófica, sobre o seu ensino e mesmo sobre a sua divulgação.
Esta
obra não pretende ser um estudo de teoria da História, a juntar às
reflexões de autores citados e mesmo a alguns artigos que fomos
publicando sobre a temática. Pretendo apenas refletir
interrogativamente, na primeira pessoa e como historiador, sobre o
sentido da História, a fim de evitar que se confunda a História
como ciência como uma mera narrativa de curiosidades, mesmo como uma
simples obra de divulgação fácil, com um livro de memórias, até
com a literatura de costumes de época ou com algumas biografias a
que por vezes se quer dar o valor da História (ressalvando outras,
que são obras de historiadores), mesmo com as ideias singelas e
esquemáticas (mas às vezes escritas com densidade e muito rigor)
que se apresentam nos manuais pedagógicos de História ou até com
trivialidades que se dizem em discursos oportunistas como sendo
‘verdades históricas’.

O
que pretendo é dar uma noção simples e ao mesmo tempo complexa de
História, definir a sua linha de rumo científico e separar águas
sem nunca depreciar outros registos que são muitas vezes
considerados incorretamente como História, a não ser que se queira
fazer identificações abusivas.»