CIÊNCIA VIVA – Proteja a natureza, pela sua saúde!

0
3


Síndrome
da imunodeficiência adquirida (SIDA), gripe das aves, pneumonia
atípica (ou síndrome respiratória aguda grave, SARS), rubéola,
malária. São exemplos de doenças que afectam os seres humanos mas
nem sempre foi assim. Por exemplo, até cerca de 1920 a SIDA apenas
afectava chimpanzés; a transmissão para humanos deveu-se à caça e
ingestão de chimpanzés contaminados. Hoje sabemos que muitas das
doenças infecto-contagiosas que afectam o Homem são zoonoses, ou
seja, tiveram origem em animais, em muitos casos em espécies
selvagens, e que a transmissão para humanos derivou de acções
sobre a natureza, como a ocupação de espaços naturalmente ocupados
por animais selvagens.

A
diversidade biológica, designada por biodiversidade, engloba a
diversidade que encontramos entre indivíduos de uma mesma espécie
até à complexa interacção que diferentes espécies estabelecem
entre si em diferentes partes do globo, os ecossistemas. Esta rede de
contactos que caracteriza a natureza depende de um equilíbrio que
vem sendo ameaçado pelo uso não racional dos recursos naturais. 

O
crescimento populacional e as migrações são outros factores que
influenciam negativamente este equilíbrio e estão na origem de
muitas doenças. Na verdade, há muito se conhece o efeito das
migrações sobre a saúde. Veja-se o exemplo da chegada dos
portugueses e espanhóis à América do Sul durante os séculos XV e
XVI: cerca de 50 milhões de mortes entre os nativos devido à
introdução da varíola, tifo e rubéola pelos conquistadores. O que
se passa actualmente é que a pressão sobre os ecossistemas e a
perda de biodiversidade atingiu níveis sem precedentes na história
da humanidade. Estima-se que anualmente morram cerca de dois milhões
de pessoas por doenças transmitidas ao Homem por animais domésticos
e selvagens.
Numa
parceria para unir esforços na prevenção da doença e protecção
da biodiversidade, a Convenção para a Diversidade Biológica e a
Organização Mundial de Saúde lançaram em Fevereiro passado o
relatório “Ligando prioridades globais: biodiversidade e saúde
humana” (
http://www.cbd.int/en/health/stateofknowledge)
no qual detalham a complexa mas extensa relação entre
biodiversidade e saúde humana. Para além do perigo do aparecimento,
ou reaparecimento, de doenças infecto-contagiosas, a perda da
biodiversidade põe em causa a saúde humana porque é da
biodiversidade que depende a qualidade do ar e da água, a nossa
alimentação, a nossa medicina ou a prevenção de muitos desastres
naturais. E, claro, não nos podemos esquecer dos benefícios que uma
bonita paisagem natural nos propicia. Quem nunca se sentiu mais
relaxando quando rodeado por um espaço verde?


Rita
Campos
Ciência
na Imprensa Regional – Ciência Viva