ANIVERSÁRIO – Ordem dos Templários reúne no Mosteiro Santa Maria do Lorvão

0
3

Conhecer “in loco” a história do
Lorvão e do seu «imponente Mosteiro» foram dois dos motivos que levaram a
Comendadoria de Coimbra da Rainha Santa Isabel da Ordem dos Templários a
escolher a vila do concelho de Penacova para comemorar o seu 18.º aniversário.
O evento está marcado para amanhã.
O programa tem início marcado
para as 11h30, com a recepção e boas-vindas em frente ao Mosteiro de Lorvão,
segue-se a celebração da missa, pelas 12h30, na Igreja do Mosteiro de Lorvão,
presidida pelo padre Manuel Lopes Botelho, vice-grão mestre e capelão da Ordem
dos Templários. Terminada a cerimónia, realiza-se uma visita guiada ao museu,
cadeiral e órgão da Igreja do Mosteiro de Lorvão, recentemente recuperado.
Os membros da Ordem dos
Templários vão manter-se, durante o almoço, dentro do espaço emblemático
monumento, uma vez que a refeição é servida na ala do Mosteiro. E é também o
Mosteiro de Lorvão que vai inspirar as intervenções que se seguem, a partir das
15h30.
Com efeito, José Rodrigues Pisco
e Fábio Nogueira, dois reputados especialistas e estudiosos desta temática, vão
falar sobre “O Mosteiro de Lorvão, dos seus primórdios aos nossos dias”, numa
viagem por uma história de séculos, onde não faltam curiosidades e “estórias”
de encantar.
O programa conta, ainda, com uma
segunda interven- ção, a cargo do grã-cruz Mário Simões Dias, autos de mais de
meia centenas de obras, muitas das quais dedicadas à causa dos templários.
“Espiritualidade templária segundo S. Bernardo (1090-1153), patrono da ordem do
Templo” é o tema que o orador vai desenvolver.
O programa inclui mais um
momento, que promete ser particularmente emocionante. Isto porque este encontro
comemorativo dos 18 anos da Comendadoria de Coimbra da Rainha Santa Isabel da
Ordem dos Templários vai incluir a apresentação do mais recente número dos
“Cadernos Templários”, referente a Julho, inteiramente dedicado a Claudino Marques. Um documento que reúne um conjunto de testemunhos de homenagem ao
comendador-delegado, falecido em Fevereiro de 2013, considerado «um exemplo de
entrega à ordem do Templo» e de concretização «do ideal templário da entreajuda
e da elevação espiritual do ser humano».