LEGISLATIVAS – Coligação Portugal à Frente apresenta programa eleitoral do distrito de Coimbra

0
1


Num
acto simb
ólico, a coligação
PSD/CDS “Portugal à Frente”
escolheu um concelho no Alto Distrito, a Pampilhosa da Serra, para apresentar o
seu programa eleitoral ao distrito de Coimbra, nesta sexta-feira 4 de Setembro.

Foi perante uma sala cheia do
Auditório Monsenhor Nunes Pereira que, a independente Margarida Mano, cabeça de
lista da Coligação, afirmou que acredita que a realidade do interior é muito
importante para todo o distrito de Coimbra e, por isso, lhe quer atribuir um
valor estratégico que impulsione o seu desenvolvimento. “Só uma política de
proximidade com as pessoas e os seus anseios permitirá compreender e atender
aos problemas dos territórios de baixa densidade, promovendo a coesão, melhor
qualidade de vida e mais emprego.”

“Na busca e partilha de bons exemplos, a
Pampilhosa da Serra é um dos concelhos incontornáveis. Trata-se de um Município
gerido com rigor que tem realizado um esforço muito significativo, no sentido
de combater a desertificação, fixar empresas e criar postos de trabalho. A
promoção de iniciativas pioneiras nos apoios concretos dados à natalidade, no
apoio escolar, na saúde e ação social fazem deste Município uma referê
ncia”, reiterou ainda a
professora universitária.

A apresentação iniciou-se com
um discurso de boas-vindas do Presidente da autarquia que, por meio de um
vídeo, enalteceu as potencialidades e os desenvolvimentos registados nos
últimos anos um pouco por todo o concelho.





As intervenções dos
Presidentes das Comissões Politicas distritais de PSD e CDS, Maurício Marques e
Paulo Almeida, respectivamente, deram conta do
“reconhecido mérito que o distrito de Coimbra, com os seus 17 municí
pios, têm em
termos nacionais e internacionais em áreas como a criação do conhecimento,
inovação, cultura, arte, património, educaçã
o e saúde”, afirmando e valorizando o distrito
e as pessoas, promovendo o emprego e a competitividade da economia, reforçando
a solidariedade e a coesão social e melhorando o acesso e a mobilidade
territorial.

Na apresentação do Programa,
propriamente dito, o candidato Manuel Rodrigues, actual Secretário de Estado,
defendeu que os candidatos querem “continuar a desenvolver, em parceria com as
instituições sociais, políticas de maior proteção para os cidadãos mais vulneráveis”,
pretendendo, ainda, que sejam adoptadas mais medidas de incentivo fiscal à
natalidade, aprofundando as políticas já 
implementadas de diferenciação
positiva nos territórios de baixa densidade populacional.

A melhoria das
acessibilidades é “uma prioridade para a Coligação”, que pretende assegurar “um
sistema de mobilidade integrada do Mondego, que corrija os erros de governos
anteriores”. Por outro lado, defendeu “
a
liga
ção da A13 à futura autoestrada Coimbra-Viseu, enquadrando a
ligação ao alto distrito pelo IC6” e “o reforço da competitividade do Porto da
Figueira”.

A necessidade de intensificar
a relação entre as instituições de ensino superior e empresas, de continuar a
reduzir o IRC e de garantir um acesso eficiente aos fundos europeus, foram
outras ideias defendidas.

“O principal desafio nos
próximos quatro anos dependerá da nossa capacidade, enquanto empresários,
universidades, escolas, IPSS e poderes públicos, de criar redes colaborativas
de desenvolvimento de Coimbra para o mundo, no âmbito da estratégia Portugal
2020”.

A preceder a possibilidade de
o auditório colocar questões à mesa, o primeiro indicado pelo CDS na lista de
candidatos, Miguel Pires da Silva, Presidente da JP, destacou “o importante
papel que está reservado aos jovens na nova economia” e a “importância, nos
dias de hoje, de conciliar as tradições do distrito com a oferta de novos
produtos e serviços de maior valor acrescentado e maior competitividade”.