Mata do Bussaco: ainda a memória de Francisco António natural do Cerquedo

0
8

Como se recordarão, falámos há poucos dias de Francisco António, o “servente do mosteiro que sobreviveu para lá do fim”. 
Para lá do fim… da Batalha, é
verdade. Mas falta saber a que outro fim  se referiria o autor da obra “Bussaco: a Batalha
e o Convento”.
Sobrevivente aos acontecimentos
daqueles dias, Francisco teria doze anos e tinha a missão de tomar conta da
despensa e da adega. As hortas, as vinhas, o milho, os feijões, não precisavam
de guarda. Tudo fora devastado.
No dia um de Outubro, manhã cedo,
chegam alguns franceses à Vacariça e ao meio dia há um pequeno grupo que ainda
procura o armazém de víveres dos ingleses na cerca do Convento. No dia
seguinte, outro grupo de franceses voltou a aparecer. Mas, depois disso, mais
nenhum marcou presença por lá, a não ser algum ferido (entre muitos) em tratamento
na Capela das Almas. Espalhado entre Avelãs, Famalicão, Mealhada, Casal Comba,
Carquejo e Botão, Massena acabava de contornar a serra por Boialvo e
estabelecer o seu quartel general na Mealhada ao mesmo tempo que Coimbra acaba
por ser saqueada…
A vida continuou no Convento mas
com grandes dificuldades. Os estragos foram muitos e a abertura da mata
permitiu o acesso a pessoas estranhas à vida do Cenóbio até que chegou o ano de
1834 e foram extintas as Ordens Religiosas, passando os bens das mesmas para as
mãos do Estado.  A Cerca só por milagre não
foi vendida a terceiros passado pouco tempo, porque dois ou três frades e
Francisco António resolveram ficar até ao fim. Sabe-se que ainda em 1864  Francisco era sacristão, cicerone e guardião
da Mata. O seu zelo terá mesmo sido reconhecido em escritos da época.
Francisco António, natural do
Cerquedo, “O primeiro leigo conhecido que amou o Bussaco desinteressadamente”…
mesmo para lá do fim…da Batalha…e do Convento.

David Almeida
_______________________

Notas
1. Antigo convento dos Carmelitas Descalços [imagem recolhida em bussaco.blogs.sapo.pt]
2.Há que referir mais uma vez
que estes nossos textos são baseados, por vezes usando as suas palavras, no
livro de Francisco Ferraz Silva

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui