ACESSIBILIDADES – Associações defendem novo traçado do IP3 pela margem sul do Mondego

0
5

Várias associações empresariais e a Associação Nacional de Transportadores
Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) defenderam hoje que o novo
Itinerário Principal 3 (Viseu-Coimbra) deverá ligar Coimbra ao Itinerário
Complementar 6 através da margem sul do rio Mondego.
Este traçado, diferente do que foi apresentado no início de agosto, em
Mortágua, na presença do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho,
“proporciona outras soluções ao tráfego oriundo de concelhos como Arganil,
Tábua, Oliveira do Hospital e Seia”, afirmam aquelas entidades em
comunicado conjunto.
Com o título “Empresários da região defendem a urgência de uma ligação
entre o IP3 e a nova A13”, na zona de Ceira, concelho e distrito de
Coimbra, a nota é subscrita pelas associações empresariais da Região de Viseu,
de Vila Nova de Poiares e da Serra da Lousã (Lousã), Clube de Empresários de
Miranda do Corvo e estrutura da ANTRAM na região Centro.
Reforçando idênticas posições tomadas nas últimas semanas pelos municípios
de Vila Nova de Poiares e Lousã, no distrito de Coimbra, aquelas organizações
exigem “uma estrada rápida e segura que encurte distâncias, beneficiando
um maior números de concelhos, num traçado que deve passar a sul do rio
Mondego”, com interface ao IC6.
“O novo IP3 deverá ter perfil de itinerário complementar, ao invés de
autoestrada”, ligando a zona da Aguieira e a A13, a sul de Coimbra,
defendem.
Para as associações, a alternativa proposta “significaria uma
importante resposta à falta de competitividade” das empresas do interior,
penalizadas pelos “acessos muito difíceis às vias principais de
comunicação”.
Maioritariamente, “o volume de produção efetiva nos concelhos por onde
deverá passar o novo IP3 está voltado para o setor da exportação”,
representando “largas dezenas de milhões de euros” de faturação,
“cujo crescimento, até mesmo manutenção, só será possível garantir com uma
ligação rápida às grandes vias de circulação rodoviária”, salientam.
A solução preconizada é a “que mais poderá promover uma efetiva
aproximação entre Coimbra e Viseu, na medida em que corresponde ao traçado mais
curto, ao mesmo tempo que contribui para uma significativa redução do encargo
financeiro atual do Estado”, pela compensação à concessionária devido ao
“reduzido tráfego rodoviário” que se verifica na A13.
As cinco associações realçam que a sua proposta tem vantagens ambientais e
ao nível dos custos, evitando o atravessamento das matas nacionais de Vale de
Canas e do Buçaco e poupando na construção de uma ponte de “grandes
dimensões” do Mondego, que deixaria de ser necessária.
LUSA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui