FUTEBOL DISTRITAL – Avalanche do Sourense desmoronou unionistas

0
3
Entrada fulgurante do Sourense
que rendeu dois golos no espaço de 16 minutos, o que traduz bem da vontade da
formação liderada por Rafael Silva em decidir depressa a equação dos três
pontos. Os visitados tomaram vantagem no marcador logo aos 8 minutos, com
Márcio Alves a efectuar um chapéu de abas largas ao jovem guarda-redes Diogo.
Não satisfeito, o Sourense
continuou a pressionar e Derick, aos 16 minutos, após fugir à vigilância do
lateral direito Batista, imitou o companheiro, mas desta vez com um remate
rasteiro a fazer passar a bola por baixo do corpo do desamparado Diogo.
Perante a avalanche ofensiva dos
visitados, a defensiva unionista desmoronou, provocando uma dupla substituição
aos 21 minutos. As saídas do central Chipi e do lateral esquerdo Bruno Costa
foram colmatadas por André e Joel, respectivamente. Porém, no minuto anterior,
Reinaldo, sem marcação, protagonizou a primeira jogada de perigo para a baliza
do Sourense, mas o guarda-redes Ivo travou com alguma dificuldade o
cabeceamento do avançado visitante. Aos 25 minutos, o mesmo jogador, na
sequência de um livre à entrada da área, rematou para defesa segura de Ivo.
Embora o domínio territorial
tenha pertencido ao Sourense, foi no entanto o União FC que, próximo do
intervalo, podia ter reduzido, mas Ruben rematou ao lado, depois de ultrapassar
o guarda-redes Ivo.
Na etapa complementar, o Sourense
voltou a “pegar” no jogo e, até Vieira procurou “furar” o último reduto
unionista, valendo no entanto a atenção de Diogo que susteve a progressão do
central visitado. Aos 51 minutos, Erick falhou à boca da baliza, após centro de
Mário Brito.
Foi o prenúncio de mais um golo
para a formação de Soure, o qual surgiu aos 65 minutos através de um contra ataque
rápido finalizado por Reis. Depois de uma corrida estonteante na direita, Erick
foi quase até à linha de fundo e levou consigo três adversários, com o
guarda-redes incluído, servindo posteriormente o companheiro que, solto de
marcação no miolo da área, só teve de encostar.
A partir daqui assistiu-se a um
infindável leque de ocasiões de golo para o Sourense golear o seu antagonista,
mas a bravura do guarda-redes Diogo e o perdulário Paulito, não permitiu
mudanças no marcador.
O árbitro não teve um percurso
bonito nesta partida. O misterioso preciosismo nalgumas decisões discutíveis de
Ricardo Bonito “dissolveram-se” na longa distância como acompanhou as jogadas,
não descortinando, por isso, uma panóplia de situações faltosas, a mais
flagrante das quais quando fez vista grossa a um corte com o braço de um
jogador unionista na sua área de rigor. Além disso, foi mal auxiliado por Pedro
Neto, que tirou alguns foras-de-jogo incríveis. Salvando-se o assistente Luís
Sousa.