EMPREENDEDORISMO – Parcerias potenciam fileira do medronheiro

0
6
A Cooperativa Portuguesa de
Medronho (CPM) vai celebrar, em Proença-a-Nova, um conjunto alargado de
protocolos de parcerias estratégicas com os municípios de Pampilhosa da Serra,
Proença-a-Nova, Fundão e Vila de Rei e com a Agência para o Desenvolvimento
Turístico das Aldeias do Xisto (ADXTUR) para potenciar a cultura do
medronheiro.
«O grande objectivo dos
protocolos assinados com os quatro municípios passa, obviamente, por promover a
cultura do medronheiro nesses territórios de baixa densidade, com vista a
lançar as bases de cooperação nos domínios técnicos, científicos e pedagógicos
no âmbito do medronheiro, medronho e seus subprodutos», adiantou o presidente
da CPM. Para Carlos Fonseca (Medronhalva) esta aposta permite, igualmente, «abrir novas
janelas de oportunidades», uma vez que o fruto é usado quase exclusivamente
para a produção de aguardente e licores e pode ser utilizado para produzir
novos produtos e gerar valor acrescentado.
«Fruto fresco, compotas, iogurtes,
produtos de cosmética e medicinais» são alguns dos produtos que podem surgir a
partir do medronho», diz o dirigente, alertando também para os «benefícios da
cultura do medonho em termos ambientais, agrícolas e florestais».
Relativamente ao protocolo com a
ADXTUR, entidade responsável pela Rede Aldeias do Xisto, Carlos Fonseca afirma
que o documento visa «a preservação e promoção da paisagem natural do
território e a dinamização de uma actividade agrícola e florestal diferenciada
com enfoque na valorização do medronheiro e do medronho». No fundo, frisou o
responsável, passa por «aproveitar uma mar ca já implementada no mercado para
promover o medonho como fruto prioritário» das 27 Aldeias de Xisto distribuídas
pelo interior da região Centro de Portugal.
Carlos Fonseca recordou que,
enquanto cultura agrícola, «o medronhal produz o medronho que é um pequeno
fruto vermelho por excelência com elevados níveis nutricionais, baixas calorias
e com elevado potencial na indústria alimentar, cosmética e ornamental». O
presidente da CPM sublinhou ainda que o «medronhal é também responsável pela
manutenção da biodiversidade e desempenha um papel fundamental na cultura
preventiva ao levado risco de incêndio a que a região onde se inserem estes
quatro municípios está exposta».
A cerimónia de assinatura dos
protocolos é realizada, sábado, no Hotel Amoras, em Proença-a-Nova.
Conselho consultivo “aposta na investigação”

O conselho consultivo da
Cooperativa Portuguesa de Medronho, que tomará posse no próximo dia 23 de
Março, «terá um forte investimento na investigação em vários sectores ligados
ao medronho». Segundo Carlos Fonseca este órgão «composto por oito instituições de ensino superior» – Escola Superior Agrária de Bragança e Coimbra,
Universidade de Aveiro, Coimbra e Algarve, Universidade Nova de Lisboa e
Instituto Politécnico de Castelo Branco e Beja – dará «especial enfoque ao
estudo da folha, do fruto e a definições estratégicas aplicadas ao conhecimento
dos produtores e da economia», tendo como principal objectivo «projectar a
cultura do medronho e alternar e diversificar a sua utilização»
Ricardo Busano | Diário de Coimbra