ASSOCIATIVISMO – Combatentes de Penacova elegeram novos órgãos sociais

0
2
Ao assistir, mais um ano, ao aniversário e à
realização de mais uma assembleia-geral da Associação de Combatentes do
Concelho de Penacova, notou-se que no descritivo da despesa, há uma rubrica que
nos sensibilizou e aos sócios também: foi o apoio, em 200 euros, a um
combatente que lhe ardeu a casa, em Travanca do Mondego, já que a Associação
«foi constituída para criar, desenvolver e manter um conjunto de actividades
com o objectivo primeiro de servir os seus associados que, de forma
obrigatória, voluntária ou de carreira militar serviram a Pátria nas
ex-Províncias ultramarinas». Acrescentamos que o total dessas despesas foi de
3.951,39 euros e a despesa 3.461,39 euros, que com o saldo do ano do ano
anterior de 490 euros, dá um saldo acumulado de 1.351,87 euros.

Visita ao Monumento no coração de
Penacova e assembleia geral de seguida
As cerimónias do passado domingo, dia
31, iniciaram-se no Largo do Terreiro, sentidos gestos em memória dos que tombaram
em defea da Pátria, cujos nomes ali se encontram inscritos, sendo guardado um
minuto de silêncio e colocadas palmas de flores, da parte da direcção da
Associação de Penacova, bem como da Associação Nacional de Combatentes, com
sede em Tondela e a Associação de Combatentes do Concelho de Arganil.
Na altura, o presidente da direcção
dos Combatentes de Penacova, António Miranda, em breves palavras referiu que,
apesar de tudo, «estes momentos são de vida e de convívio enquanto cá vamos
andando» e no final anunciou que o convívio prosseguia no Restaurante «A Nora»,
em Miro, onde se realizou a assembleia geral, durante a qual se prestaram
contas e se elegeram novos corpos sociais.
Assim, presidida pelo seu titular,
Arménio Azadinho Cordeiro, a assembleia teve por missão de ouvir, discutir e
aprovar os documentos em análise. Se as contas de 2015 foram aprovadas por
unanimidade, também teve o mesmo signo o Plano de Acti­vidades e Orçamento para
2016.
Assim, as actividades previstas para
2016 têm mais ou menos a mesma configuração das anteriores, entre passeios,
convívios e visitas, angariação de novos sócios, tem como novidade a visita ao
Memorial dos Combatentes que tombaram em defesa da Pátria, situado em Belém
(Lisboa).
Sobre as contas, o orçamento para 2016
conta com uma receita e despesa de 6.853,00 euros.

O presidente da direcção deixou
algumas sugestões sobre a importância de, em todas as freguesias e aldeias,
haver um sócio que represente a Associação, a fim de ser o porta-voz no que diz
respeito na angariação de sócios e proceder ao recebimento das quotas e
transmitir o que se vai fazendo. Que inclusivamente nas sedes das Juntas, nos
seus placards, possa estar patente informação da Associação.

O conselho fiscal deu parecer
favorável às contas, onde se nota que «a Associação mantém as contas
equilibradas, com uma gestão também equilibrada e rigorosa», e por isso deu o
seu parecer favorável, «louvando e incentivando a Direcção na continuação do
trabalho até agora conseguido e nos bons resultados obtidos».
Concluída a assembleia, decorreu o convívio
gastronómico, no qual participaram mais de 100 pessoas.
António Miranda foi reeleito

Procedeu-se à eleição de novos corpos sociais, que depois de
apresentada uma só lista, da parte da direcção, esta foi aceite e votada por
unanimidade, e de que fazem parte os seguintes elementos:
Assembleia- Geral
Presidente, Arménio Azadinho Cordeiro; 1.º
secretário, António Serafim Oliveira Gonçalves; e 2.º secretário, Arnaldo
Sousa.
Direcção – Presidente,
António de Miranda; vice-presidente, Belmiro Lopes Grilo; 1.º secretário, Luís
de Jesus Oliveira Amaral; tesoureiro, Paulo Sérgio Simões Silva; e vogais,
Jorge Manuel Sande Leitão Ribeiro, José Maria de Olivei­ra e António João
Costa.
Conselho Fiscal – Presidente,
José Gaudêncio; secretário, Vítor de jesus Lopes; e vogal, Evaémio Alberto
Soares Silva Craveiro.


José Travassos de Vasconcelos | A Comarca de Arganil