XII CAPÍTULO – Confraria da Lampreia entronizou ontem nutricionista e investigador

0
1
Mariana Moura da Silva,
nutricionista, e Pedro Jorge Caridade, investigador na Universidade de Coimbra,
são os dois novos confrades da Confraria da Lampreia de Penacova. Foram
entronizados, em cerimónia integrada no XIII Capítulo da confraria que tem a missão
de defender o património gastronómico de Penacova: a lampreia, mas também os
peixinhos do rio e os doces conventuais de Lorvão, nomeadamente pastéis e
nevadas.

Num dia de festa que teve início
logo pela manhã e envolveu a população de Penacova, como depois foi destacado,
entre outros responsáveis pelo autarca e confrade de honra Humberto Oliveira, o
XIII Capítulo da Confraria da Lampreia teve ontem um dos momentos altos no
desfile das confrarias convidadas desde o Mirante até ao Terreiro de Penacova.

Seguiu-se um concerto muito
aplaudido pela Filarmónica da Boa Vontade Lorvanense e, imediatamente antes do
almoço – com a degustação da celebrada lampreia e dos doces conventuais do
mosteiro cisterciense do Lorvão –, a cerimónia capitular que entronizou, mediante
rituais próprios e a fazerem apelo às raízes mais genuínas da gastronomia
penacovense, os dois novos confrades.

Recordando a criação da Confraria
da Lampreia de Penacova, em agosto de 2003, Fernando Lopes, mordomo-mor,
sublinhou a preocupação com as condições necessárias para “ter um produto de
qualidade”, não apenas na defesa da lampreia, mas de todo o património
gastronómico de Penacova, muito centrado também na doçaria conventual ligada a
Lorvão.

27 de maio é o Dia Nacional da
Gastronomia

E se há 13 anos, a “lampreia era
um produto cada vez mais escasso”, o mesmo não acontece hoje, uma vez que, como
sublinhou o responsável, foram criadas condições – sobretudo com a construção
da escada de peixe no açude-ponte sobre o Mondego, em Coimbra –, para que a
lampreia voltasse a subir até Penacova, em “qualidade e quantidade”.

Situação que tudo indica deverá
manter-se, a julgar pelos números a dizerem que, em 2014, entraram no estuário
do Mondego à volta de 100 mil lampreias.

Destacado ontem ainda na cerimónia
pelo responsável da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas, foi o
Dia Nacional da Gastronomia Portuguesa, instituí- do em 2015 para ser
assinalado no último domingo de cada mês de maio, depois de um intenso trabalho
desenvolvido junto dos diversos grupos parlamentares na Assembleia da
República.

As comemorações do primeiro Dia
Nacional da Gastronomia vão decorrer a 29 de maio próximo, em Aveiro, num
evento a contar com a presença de todas as confrarias portuguesas.

Lídia Pereira | Diário As Beiras