PROTEÇÃO CIVIL – Operacionais do distrito de Coimbra mostram-se em Oliveira do Hospital

0
2
O
Parque do Mandanelho, em pleno coração da cidade oliveirense, está
transformado, até domingo, numa autêntica montra da protecção civil municipal e
distrital. Bombeiros, GNR, PSP, Exército, Sapadores Florestais, e dispositivo
Municipal de Protecção Civil estão devidamente representados numa exposição que
visa assinalar a Semana da Protecção Civil no distrito de Coimbra. Uma
iniciativa que tem como objectivo envolver a comunidade local com todos os
agentes de protecção civil para que «possa perceber as valências de cada um».

Comandante
da Protecção Civil Distrital, Carlos Luís Tavares lembra que esta é uma forma
de colocar a população a par de todos os meios de protecção e socorro que
existem e sensibilizar as pessoas para o facto de numa operação de socorro
«todos poderem ser úteis» e «contribuírem para a segurança». «Todos são
importantes e cada um de nós é protecção civil enquanto cidadão», referiu o
comandante que, ao trazer todo o dispositivo de protecção civil para o patamar
local quis apelar, uma vez mais, para a importância de se «mitigar o mais
possível o risco».

«A
protecção civil não é só incêndios florestais, há cheias e há outros fenómenos
aos quais temos de dar resposta», aludiu aquele responsável, que ontem veio ao
terreno, não numa situação de calamidade, mas para mostrar os meios à
disposição das populações em caso de risco, chamando ao mesmo tempo à atenção
para a necessidade de estas contribuírem também para a redução desse risco.

Satisfeito
pelo concelho ter sido o palco escolhido para assinalar a Semana da Protecção
Civil, o presidente da Câmara, José Carlos Alexandrino, destacou o papel dos
agentes da protecção civil quando «as coisas correm menos bem» como foi o caso,
ainda recente, das intempéries que se abateram sobre o concelho, provocando
estragos avultados, sobretudo nas zonas ribeirinhas, apesar da prontidão e
eficácia com que actuaram os meios de socorro.

O
autarca afirmou-se tranquilo quanto ao trabalho de todos os agentes de
protecção civil municipal, dizendo “dormir descansado”, «porque se houver
alguma coisa eles estão lá para fazer o que é necessário». «É um direito que
todos temos é ter uma protecção civil que responda aos desafios, porque sabemos
que a natureza muitas vezes é imprevisível», referiu o edil, na inauguração da
exposição, que pretende, também, «valorizar o trabalho de todos quantos
trabalham na protecção civil». E como socorro é muitas vezes sinónimo de
rapidez de intervenção, o edil não deixou, uma vez mais, de lamentar o facto de
Oliveira do Hospital continuar sem uma estrada condigna que permita, em
situações de emergência, actuar mais rápido. 

Margarida Prata – Diário de Coimbra