DIVULGAÇÃO – Ilustradores da UA explicam a importância das passagens para peixes do Mondego

0
1
Dez painéis ilustrados
por Fernando Correia, com algumas ilustrações de Marcos Oliveira e da sua
mestranda Cláudia Barrocas, sob a égide do Laboratório de Ilustração
Científica, Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro (UA), comunicam
ao grande público as intervenções feitas no âmbito do projeto Reabilitação dos
Habitats de Peixes Diádromos na Bacia Hidrográfica do Mondego.
O
projeto Reabilitação dos Habitats de Peixes Diádromos na Bacia Hidrográfica do
Mondego teve como principal objetivo reabilitar um troço do Rio Mondego
considerado um habitat muito importante para os peixes migradores. A
reabilitação de habitat no Rio Mondego foi garantida através da instalação de
passagens para peixes nos açudes previamente identificados como obstáculo à migração
destas espécies, dois deles construídos no concelho de Penacova.
De
modo a melhor comunicar ao grande público as intervenções feitas, se poder
entender in loco (por confrontação visual comparativa) e melhor se apreender o
seu propósito e as espécies usam as estruturas, foram feitos 10 murais/painéis
(1,8 x 1
m) que ilustram os diferentes tipos de passagens para
peixes.
O
percurso e a localização das estruturas podem ser acompanhados, de jusante
para montante, através das ilustrações e do mapa criado para o efeito.
A
construção de obstáculos nos rios é particularmente gravosa para as espécies
piscícolas que migram entre o mar e o rio para completarem o seu ciclo de vida,
os peixes diádromos.
Este
projeto com um orçamento de cerca de 1.3 milhões de euros, foi financiado pelo
Ministério da Agricultura e do Mar e cofinanciado pelo Fundo Europeu das
Pescas, através do PROMAR – Programa Operacional Pesca 2007-2013, e pela
EDP-Energias de Portugal, S.A. Foi coordenado pela Universidade de Évora, com o
apoio técnico-científico do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, e com
a parceria de um conjunto de entidades.



Fonte Universidade de Aveiro