PINTURA EM PENACOVA – Martins da Costa marca Agenda Cultural

0
2
Óleo de Martins da Costa
Coleção Particular – Penacova
No livro Patrimónios de Penacova (1) encontramos um capítulo intitulado
“Pintura de Penacova e Pintura em Penacova”. Martins da Costa é precisamente
(como não podia deixar de ser) uma das personalidades
em destaque. Aí se
traçam algumas notas biografico-artísticas e se reforça a ideia de criar em
Penacova um espaço condigno dedicado a este pintor. O próprio Presidente da
Câmara, na “Nota de Apresentação”,  sublinha  esse propósito,
escrevendo: ” A reconversão do atual edifício do tribunal numa casa de artes e
cultura antecede a nossa intenção de propor que a mesma se possa denominar
“Casa das Artes e Cultura Martins da Costa”.
Como é sabido, João
Martins da Costa nasceu em Coimbra em 28 de Junho de 1921 e a sua ligação a
Penacova não se iniciou apenas em 1973, quando para aqui veio morar. Refere-se
na obra supracitada a sua ascendência penacovense: seus pais, José da Costa e
Cacilda Martins, bem como o seu avô materno (que fora industrial de latoaria em
Penacova) e o paterno, Abílio Costa, que fora proprietário de um trem que
servia de diligência entre Coimbra e esta vila.
Martins da Costa formou-se em Pintura na Escola
Superior de Belas Artes do Porto. No conjunto das suas obras relacionadas com
Penacova destacam-se: “Penacova – A Ponte” (1945); “O Vale do
Mondego” (1982); “Outono na Serra – Penacova” (1984);
“Caminhos Paralelos”, no Mirante” (1991); “A Persiana –
Penacova ” (1991); Nuvens sobre o Vale de Penacova I e II” (1945). O
Museu Nacional Soares dos Reis possui quatro obras suas: “Jardim de S.
Lázaro – Porto”, “Casario do Porto”, “Casas de Roma” e
“Vale de Penacova”.


Página de um dos catálogos das sua exposições
Fez inúmeras viagens a Cabo Verde, Guiné, S.
Paulo, Paris,  Espanha, Bélgica, Holanda, Itália e Inglaterra (“A minha
ciganagem de artista” –  como escreveu certo dia) onde fez estudos e
pintou. Foi bolseiro do governo italiano e do Instituto de Alta Cultura.
Segundo Leitão Couto, no Museu Municipal Eduardo Tavares (S. João da Pesqueira)
encontra-se o molde da cabeça do Mestre, como colega que foi, na Escola
Superior de Belas Artes no Porto, do escultor Eduardo Tavares. Ora, para este
ex-autarca penacovense “poder-se-ia tentar que aquele Município nos cedesse tal
obra, da autoria daquele escultor, para figurar na futura Galeria Martins da
Costa.”
Podemos ainda ler em Patrimónios de Penacova: “Foi
mestre como independente, genuino e desprendido do lucro, sendo verdadeiramente
lapidares os pensamentos que exprimiu em algumas frases simbólicas: “Para
um homem ou um artista ser diferente dos outros, bastar-lhe-á ser igual a si
próprio. O que nem sempre é fácil. Por muita falta que te faça o dinheiro,
nunca o mistures com as tintas. A cor sai suja.” Certo dia, terá também
dito ou escrito que “os quadros só são arte quando dão a noção de terem
sido feitos de uma só pincelada”, no entanto, “cada pincelada exige
ser feita cem vezes”


Em Penacova construiu a
sua casa-atelier sobre o Vale do Mondego, “no meio das oliveiras e dos
bandos de passarada.” Foi professor da Escola Secundária onde a sua arte
ficou assinalada. Em 1976 colaborou também nas obras da Igreja Matriz,
executando, nomeadamente, trabalhos de restauro, retoque e envernizamento do
quadro de grandes dimensões que representa a padroeira de Penacova, Nossa
Senhora da Assunção. Desenhou e
pintou as Bandeiras do Rancho Folclórico de Penacova, bem como de outras
instituiçõs locais. Deixou também a sua genialidade de escritor nas crónicas
que publicou quer no jornal Nova
Esperança
, quer no Jornal
de Penacova.
“Martins da Costa
(1921-2005) pintou a Natureza de Penacova e merece um lugar de realce numa
futura Galeria, a instalar na anunciada Casa da Cultura e das Artes. Penacova
tem obrigação de dar a uma praça ou rua o nome do Mestre.” – adiantam os
autores do livro Patrimónios
de Penacova.
  
Congratulamo-nos com a
homenagem que vai ser prestada no próximo sábado, com o lançamento do livro
“Contos Vividos” e outros eventos,  fazendo votos para que seja o início
de um processo que dignificará o Artista, o Homem e  (a sua) Penacova.
DAVID ALMEIDA
1) Couto, J. Leitão; Almeida, David – Patrimónios de Penacova-Apontamentos para a sua Valorização e Divulgação. Penacova: Câmara Municipal de Penacova, 2012