Por terras de Penacova com o Mondego por companheiro

0
3
1. Mondego acima. Vou em boa
companhia

Saio de Coimbra pela Estrada da
Beira até à Ponte de Ceira e sigo, à esquerda, em direcção a Penacova. Logo
adiante Torres do Mondego, terra alcantilada lembrando um presépio de rara
beleza, rodeado de pinhais, hortas e terras de cultivo. Do outro lado, uma
praia fluvial com muita gente, banhistas, pescadores, risos de crianças na
manhã inundada de sol.
Sigo pela margem direita do
Mondego, que desliza suave e mansamente. Vou em boa companhia! Vindo lá de cima
da Serra da Estrela, onde nasceu, passou por Celorico da Beira, Fornos de
Algodres (terra natal do Menano, onde bebeu a sua poesia), Nelas, Carregal do
Sal, Santa Comba Dão, que lhes transmitiram uma genuinidade tal que fazem dele
o rio mais romântico de Portugal. Descrito por escritores, cantado por poetas e
trovadores, que o imortalizaram!
Nasce na Serra o Mondego/Vai
passar Junto à Felgueira / Atravessando Coimbra/ Vai morrer junto à Figueira /
Corre Mondego, devagarinho/ Paz e sossego, vão de mansinho…
2. Lorvão. O Apocalipse e as
Santas Princesas
Desvio para Lorvão. Visito o
histórico Mosteiro, Um dos mais notá- veis centros de produção de manuscritos,
a par com Santa Cruz, na Fundação de Portugal. O manuscrito mais famoso de
todos “O Apocalipse de Lorvão” está no Tombo em Lisboa! Que atractivo cultural
para investigadores e turistas se voltasse a este sitio que o viu nascer!
Aqui se recolheram e morreram
duas santas princesas; Dona Teresa e Dona Sancha, nascidas em Coimbra tal como
o Rei D. Sancho I, seu Pai. Admiro o órgão de tubos um dos mais importantes da
Peninsula Ibérica pela sua dimensão e sonoridade!
Despeço-me de Lorvão saboreando
os doces característicos da terra, que são uma maravilha.
3. Penacova e as suas paisagens deslumbrantes

Chego a Penacova, situada numa
colina: Dos seus miradoiros desfrutam-se vistas deslumbrantes! Lá está o
Mondego nas suas voltas, uma praia fluvial em frente, estão lugares branquinhos
e tranquilos, espalhados pelos montes verdejantes acima! Paisagens que tornam
felizes quem as saboreia.
Está na hora do almoço! Penacova
e afamada capital da lampreia. Venho aqui muitas vezes, no tempo dela. Hoje
fico pelo cabrito assado no forno, com vinho da Região, Faço um brinde aos
leitores das “Beiras”, neste tempo de férias.
4.São Pedro de Alva. Terra de
gente ilustre

Entre o rio Mondego e o Alva,
chego a São Pedro de Alva. Terra de grande valor. Muita gente ilustre ligada a
Coimbra. Dois exemplos:
António José de Almeida, dos mais
ilustres Presidentes da 1ª Republica ( 1919-1923 ), licenciado em Coimbra,
nasceu aqui em Vale da Vinha.
O venerado Padre Américo.
Licenciado em Teologia e ordenado padre em Coimbra. Aqui estabeleceu a 1ª
colónia de ferias para crianças desprotegidas ( 1935-39 ). Daqui foi abrir a 1ª
Casa do Gaiato, em 1940, na vizinha Miranda do Corvo.
Tudo isto me é contado no Café
principal por gente da terra! Conhecem Coimbra muito bem, já lá foram muitas
vezes, Mas, dizem-me, Coimbra vai pouco a S Pedro de Alva. Não percebem porquê!
Despeço-me com amizade. Quando
quero pagar a “mini”, dizem-me, com um sorriso, que já está pago. É assim, a
gente da Beira!

Hélder Rodrigues,
Engenheiro Químico Industrial


Artigo de opinião originalmente publicado na edição impressa do Diário As Beiras de 30.08.2016

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui