CULTURA – Penacova revive tradição do linho

0
3
Veja se conhece algumas das designações que se seguem. No concelho de
Penacova ainda é possível assistir à produção do linho artesanal. A primeira
fase do ciclo do linho é a sementeira, segue-se a monda e depois a arrancada.
Seguidamente fazem-se molhos de linho que são secos ao sol. A planta é depois
rapigada, isto é, retiram-se as sementes que são utilizadas na próxima
colheita. Depois o linho é macerado, tasquinhado, sedado e desfiado. Através de
um sarilho são feitas as meadas que depois são cozidas, lavadas e finalmente
prontas a desfiar com a ajuda de uma dobadoura. “Tudo isto seria apenas
parte do imaginário longínquo, não fosse a persistência do Município de
Penacova em recriar ofícios e saberes ancestrais, mostrando-os ao público,
promovendo a sua divulgação e fazendo com que as pessoas convivam com
eles”, assegura Fernanda Veiga, vereadora da Cultura de Penacova. 
No âmbito das Jornadas Europeias do Património, este ano enquadradas no
tema Comunidades e Culturas, a Câmara Municipal de Penacova tem em exposição no
Museu Vitorino Nemésio, até ao final do mês de setembro, uma exposição
relacionada com o Ciclo do Linho. Esta exposição e o próprio espólio do Museu
do Moinho permitem compreender os elos de ligação entre o património e a
comunidade penacovense, assim como contribuem para a valorização da cultura nas
suas múltiplas dimensões. O tema Comunidades e Culturas, adotado em 2016,
tem por objetivo destacar e envolver as múltiplas formas de comunidade,
comunidades locais, escolares, de bairro, clubes, associações de
desenvolvimento, organizações não-governamentais, sejam de  carácter
cultural, religioso, filosófico, científico, desportivo ou recreativo, ou
outras, preocupadas e vocacionadas para o conhecimento, proteção,
desenvolvimento, utilização e organização dos seus próprios ambientes
culturais, nas mais variadas formas.
LEGENDA DA FOTO EM ANEXO: Museu do Moinho Vitorino Nemésio
acolhe exposição do linho até fim de setembro.
CAIXA


Localizado no Lugar
da Portela de Oliveira, em pleno perímetro florestal da
Serra do Buçaco
, o Museu do Moinho Vitorino Nemésio,
encontra-se instalado na casa de férias do Eng.º Arantes de Oliveira, Ministro
das Obras Públicas no anterior regime, espaço adquirido na década de oitenta
pela autarquia.

Em 1980, o moinho
Vitorino Nemésio foi doado pelos herdeiros do escritor à autarquia, que o
recuperou proporcionando-lhe a funcionalidade de outrora. Vitorino Nemésio, que
foi Presidente da Associação Portuguesa dos Amigos dos Moinhos e ”
incansável moleiro das palavras”, no dizer de David Mourão Ferreira, foi
proprietário de três moinhos no concelho de Penacova, cujo património natural lhe
serviu muitas vezes de inspiração, tornando-se uma incontornável referência
cultural do Concelho.

Com o objectivo de
preservar a história dos moinhos de vento e água e a memória dos seus moleiros,
o município de Penacova realizou, ao longo do ano de 2015, obras de remodelação
e musealização do Museu do Moinho Vitorino Nemésio. 

HORÁRIO
Verão (15 março a 15
outubro): 10H00 – 18H00
Inverno (16 outubro a 14
março): 10H00 – 17H00