INICIATIVA – Presidente da assembleia municipal de Penacova, congratula-se com o novo Orçamento do Estado e solicita esclarecimentos sobre investimentos na região

0
2
Para Pedro Coimbra, presidente da assembleia municipal de Penacova, “trata-se de um
Orçamento que ajuda as famílias e que coloca as pessoas no centro da
actuação política. Que relança a competitividade da economia, da sustentabilidade de sistemas
públicos na defesa dos direitos e dos interesses dos portugueses”.
Afirmou que “é um
Orçamento que garante a estabilidade, a conformidade
constitucional e, também, o rigor nas contas
públicas.
O Governo mudou,
felizmente. Portugal está a mudar para melhor, sem dúvida!”
Salientou
também que o “reforço do investimento público em mais 750 milhões de euros
face à execução estimada para 2016, o que significa um aumento de 21,8%, é a
prova de que se trata de um orçamento que, objectivamente, promove a
competitividade da economia portuguesa e reforça a coesão territorial!” 
  1. o ponto de
    situação do Sistema de Mobilidade do Mondego, recordando que o Governo
    anterior se esqueceu de preparar caminho para a candidatura do
    investimento aos fundos comunitários, sendo que esta é uma obra de grande
    relevância para a mobilidade de uma vasta comunidade; 
  2. ponto de
    situava da conclusão do IC6 até Oliveira do Hospital, recordando que
    faltam construir cerca de 12km com um custo estimado de cerca de 25
    milhões de euros, e que são importantes para servir uma região de forte
    desenvolvimento económico com significativo impacto nas exportações;
  3. ponto de
    situação da requalificação do IP3 entre Coimbra e Viseu, que inclua a
    ligação a VN de Poiares; recordando que o IP3 é uma das mais movimentadas
    estradas do País e que não tem condições de segurança rodoviária sendo
    conhecido como “estrada da morte” e que a ligação a VN de
    Poiares serve igualmente uma forte comunidade económica com significativa
    vocação exportadora;
  4. ponto de
    situação da ligação de Soure ao nó da A1, recordando também que, tal como
    as anteriores, também esta ligação tem uma importante vertente
    económica. 

Lembrou
que se tratam de investimentos relevantes para o bem estar das populações mas
também para a coesão e competitividade económica do território.