SAÚDE – Lares não devem enviar idosos diretamente para as urgências

0
2
O presidente da Administração
Regional de Saúde do Centro (ARSC), José Tereso, apelou ontem para que os lares
não enviem diretamente os utentes para as urgências sem antes consultarem o
médico afeto às instituições.

A “esmagadora maioria das pessoas
que vão às urgências são idosos” e parte “vêm diretamente dos lares sem verem
antes médico nenhum”, afirmou José Tereso.

O presidente da ARSC falava à
margem da cerimónia de receção aos novos internos do Centro Hospitalar e
Universitário de Coimbra (ver página 5) e disse aos jornalistas que constatou,
recentemente, essa questão.

Para garantir uma melhor formação
aos profissionais que trabalham nos lares estão a ser agendadas ações de formação
para estes agentes. O objetivo é ajudar a dar uma melhor assistência, combater
a infeção hospitalar e melhorar a prá- tica de prescrição de antibióticos. Em
dezembro já se realizou uma ação em Aveiro e, no primeiro trimestre deste ano,
realizam-se nos restantes concelhos do distrito de Coimbra.

Escolha pelo centro de saúde

Numa altura em que se aproxima o
período crítico da gripe, o responsável da ARSC disse ainda que os doentes
devem optar pela ida ao centro de saúde e não diretamente para as urgências do
hospital. No último domingo, José Tereso esteve em Aveiro e constatou que
algumas das pessoas doentes já o fizeram. Contudo, ontem reforçou esta
necessidade, para que as urgências dos hospitais não levem os utentes a esperar
seis ou mais horas. “O processo é muito mais célere se forem ao centro de
saúde”, afirmou o clínico.

Os utentes devem ir ao médico de
família que “tratará de os encaminhar para os serviços de urgência” se for
necessário. No centro de saúde, garantiu, “é muito mais rapidamente atendido e
com a mesma qualidade clínica”.
Rute Melo – Diário As
Beiras