ENSINO – Região de Coimbra investe 14 milhões no combate ao insucesso escolar

0
3

A Comunidade Intermunicipal (CIM) da
Região de Coimbra, da qual faz parte município de Penacova, vai investir cerca
de 14 milhões de euros num “plano inovador de combate ao insucesso escolar” e à
“promoção da qualidade do sucesso educativo” no seu território.
O plano, que se integra num programa de
capacitação e desenvolvimento das pessoas, financiado, em 85%, pelo Fundo
Social Europeu, visa “diminuir significativamente” a taxa de insucesso escolar
na área da CIM da Região de Coimbra, que abrange 19 concelhos.
Na região, à semelhança da generalidade
do país, “ainda se regista uma considerável taxa de insucesso escolar”, mas,
“como têm demonstrado outros países”, é possível baixá-la para índices bem
menos preocupantes, sustenta o presidente da CIM da Região de Coimbra, João
Ataíde.
Durante a sessão de formalização de
protocolos entre a CIM e os seis centros de formação de associações de escolas
da região, que serão os principais responsáveis pelo plano, João Ataíde
explicou que “estas políticas têm contribuído para um forte crescimento de
alguns países europeus”, sublinhando que o objetivo da CIM da Região de Coimbra
é “atingir um patamar de excelência ao nível da educação”.

Esse “é o desígnio”, frisou João Ataíde, adiantando que este “plano
inovador de prevenção e de combate ao insucesso escolar” e, também, para “a
promoção da qualidade do sucesso educativo”, não abrangerá apenas alunos,
professores e funcionários não docentes, mas também famílias, designadamente no
sentido de as sensibilizar para a importância que pode ter o ambiente em que
vivem os alunos para a aprendizagem.

“Este é, provavelmente, o programa mais
arrojado, do ponto de vista financeiro”, da região, disse, por seu turno, Jorge
Brito, secretário executivo intermunicipal, destacando que o projeto foi “muito
discutido”, designadamente com os centros de formação de associações de
escolas, que serão dos seus principais responsáveis e executores.
Entre as iniciativas preconizadas no
plano, que faz “uma aposta deliberada nas tecnologias de informação”, contam-se
ações no sentido da promoção da educação parental, de apoio a crianças
institucionalizadas/carenciadas, de capacitação dos funcionários não docentes nas
escolas e criação de ambientes de educação inovadores (salas do futuro),
exemplificou Jorge Brito.
O plano, a desenvolver até 2021, prevê
também que os projetos entretanto concretizados com êxito venham a ser
“replicados por outros municípios da CIM.