CIÊNCIA VIVA – O céu de Março de 2017

0
2
A passagem da Lua por baixo do planeta Marte sinaliza
a primeira e a penúltima noite deste mês. Mas enquanto primeiro estes astros
serão visíveis a meio da constelação dos Peixes, no final do mês
encontrá-los-emos numa região do céu pertencente à constelação do Carneiro.























Na noite de dia quatro, véspera do quarto crescente, a
Lua ocultará a estrela gamma Tauri (ou gamma Tau, a estrela gama da constelação
do Touro). Esta efeméride terá lugar pouco antes das vinte e uma horas menos um
quarto (hora continental), e cerca de meia hora antes nos Açores. Esta
ocultação irá durar aproximadamente uma hora. Nessa madrugada a Lua ainda
passará ao lado de Aldebarã, uma estrela gigante que associamos ao olho da
constelação do Touro. Aldebarã tem uma vez e meia a massa do Sol e 44 vezes o
seu raio, mas apenas dois terços da sua temperatura à superfície (daí a sua cor
alaranjada).

Na madrugada de dia 9 a Lua encontrar-se-á ao lado do
aglomerado estelar da Colmeia, na constelação do Caranguejo, e ao final do dia
10 ela terá chegado até à vizinhança de Régulo, o coração da constelação do
Leão.

A Lua Cheia dar-se-á no dia 12. Pouco antes das vinte
e três horas e meia (hora continental) do dia 13, a Lua ocultará a estrela
gamma Virginis (também chamada Porrima). Nos Açores esse evento terá lugar
cerca de meia hora antes. Na noite seguinte a Lua e Júpiter serão vistos junto
à estrela Espiga da constelação da Virgem.

Aquando do quarto minguante (no dia 20) a Lua
situar-se-á ao lado de Saturno. O acontecimento mais importante do mês terá
lugar nessa mesma manhã, altura em que o eixo de rotação terrestre ficará
perpendicular à direção do Sol. Neste instante ambos hemisférios terrestres,
Norte e Sul, ficarão igualmente iluminados.























Visto ser a partir deste momento que em Portugal
passamos a ver o Sol acima do equador celeste, marcando o início da primavera,
chamamos a esta efeméride de equinócio da primavera.

De notar que apesar do seu nome, no dia do equinócio o
dia não tem a mesma duração que a noite (tal já terá ocorrido no dia 17). Isto
deve-se a que por efeito de refração atmosférica o Sol apareça sempre
ligeiramente acima da sua verdadeira posição, fazendo com que os dias sejam
mais longos do que seriam caso não houvesse atmosfera.

Dia 23 mercúrio atinge o seu periélio, o ponto da sua
órbita mais próxima do Sol. Este planeta apenas será visível ao final do dia
durante a segunda metade do mês. Ao invés disso, Vénus apenas será visto como
estrela da tarde até meio do mês, só voltando a reaparecer nos céus no fim do
mês mas já como estrela da manhã.

Tal como definido por lei no último domingo do mês,
dia 26, terá lugar a mudança da hora legal do horário de inverno para o horário
de verão. Assim à uma hora da madrugada (hora continental) os relógios deverão
ser adiantados sessenta minutos.

Finalmente a Lua Nova irá ocorrer na madrugada de dia
28, mas só conseguiremos ver o nosso satélite natural na noite de dia 29 já ao
pé de Mercúrio.
Boas observações!

Fernando J.G. Pinheiro (CITEUC)

Figura 1: Céu a sudoeste ao início da noite de dia 4
com alguns objetos de destaque. Igualmente é visível a posição da Lua nos dias
1 e 30, e dos planetas Mercúrio e Marte no dia 30. (Imagem adaptada de
Stellarium)

Figura 2: Céu a sul pelas 3 três horas da madrugada de
dia 15. Igualmente é indicada a posição da Lua nas madrugadas de dia 11 e 20.
(Imagem adaptada de Stellarium)