EXPOSIÇÃO – Meios da Protecção Civil Distrital mostram-se até domingo em Cantanhede

0
1
Numa nova estratégia
nacional para a Protecção Civil, as câmaras vão passar a ter competências nesta
área, havendo um coordenador municipal e um Centro de Protecção Civil, sendo que
nas juntas de freguesia serão criadas unidades locais.
Esta novidade foi dada a
conhecer ontem pelo secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes,
na inauguração, no Parque Urbano da Quinta de S. Mateus, da exposição de meios
e agentes, que integra a Semana da Protecção Civil distrital, este ano acolhida
por Cantanhede.
O governante salientou que
se trata de uma estratégia nacional visando a Protecção Civil preventiva, plano
que foi apresentado no dia 1 de Março. Este novo paradigma, que será
desenvolvido durante «os próximos anos», implica uma descentralização de
competências para as autarquias, «em complemento» do trabalho realizado ao
nível central.

As Câmaras Municipais e as
Juntas de Freguesia, entre outras funções, vão ter a capacidade de tomar
medidas preventivas de catástrofes e outros eventos e acidentes, tendo o conjunto
da Protecção Civil o objectivo final de «criar um sistema mais equilibrado».

Com meios dos bombeiros, GNR,
Exército, Marinha, Afocelca, Infraestruturas de Portugal, entre outras, em
exposição pelos hectares do Parque Urbano, o edil de Cantanhede, enfatizou que,
«o carácter distrital desta exposição é uma boa forma de comemorar os 10 anos
de organização da Semana Municipal da Protecção Civil, iniciativa que o Serviço
Municipal de Cantanhede tem vindo a desenvolver com assinalável envolvimento de
várias entidades, sendo de destacar a forte participação das instituições educativas
de diferentes graus de ensino»
.
João Moura, que teceu
várias considerações, deixou claro, no seu discurso, que «faz sentido referir o
facto de os Bombeiros Voluntários terem uma função 
absolutamente crucial no
funcionamento do Sistema Municipal de Protecção Civil»
, salientando que, da
parte da Câmara Municipal há, como sempre houve, grande disponibilidade para se
assumir como parceiro da instituição na modernização dos meios operacionais, o
que de resto está demonstrado no financiamento da aquisição de diversos tipos
de equipamentos, para além de outros importantes apoios».
Aliás, lembrando a
intenção de transferência de competências para as câmaras, o autarca defendeu
que «é necessário haver, da parte da Administração Central, uma maior
participação na modernização dos equipamentos dos Bombeiros Voluntários»

José Carlos Salgueiro – Diário de Coimbra