ESTRATÉGIA – Centro de Portugal “consolida marca” na Bolsa de Turismo

0
1
A
Turismo Centro de Portugal (TCP) delineou uma estratégia para a Bolsa de
Turismo de Lisboa (BTL) que passava por «consolidar o posicionamento da marca»
que foi «conquistado nas edições anteriores do certame», revelou Pedro
Machado.
O
presidente da TCP fez um balanço «extremamente positivo» da presença
da entidade que dirige na mais importante feira do sector a nível nacional, que
terminou ontem em Lisboa.
«Em
2017 quisemos não só consolidar esse posicionamento que foi conquistado através
da nova imagem, da nova produção e da nova distribuição da marca, mas também
tendo em conta a apresentação de alguns projectos que são reveladores dessa
mesma afirmação»
, adiantou Pedro
Machado.
«Tivemos
a apresentação do mapa conjunto com a Estremadura espanhola, o que significa que
a região Centro é a primeira a nível nacional que faz uma parceria para a
promoção conjunta com outros territórios, nomeadamente, estrangeiros, assente
em quatro eixos: turismo patrimonial e cultural, gastronomia e vinhos, turismo
natureza e turismo activo»,

sublinhou.
Esta
parceria, na opinião de Pedro Machado, alarga, «em muito», aquilo que é
o território turístico que esta região poderia ter. «Aos 2,4 milhões de consumidores
da região Centro, juntamos mais um milhão de potenciais consumidores da Estremadura
espanhola. Ou seja, com esta parceria, abrimos a porta daquilo que é o nosso
primeiro mercado externo, que é Espanha, que ainda hoje é responsável por mais
de 66% da procura turística internacional da região Centro»
, frisou.
Pedro
Machado deixou claro que além do «lançamento da nova página da internet, da nova
brochura e dos novos guias digitais, que ajudam a marca a apresentar,
sectorialmente, cada uma das sub-regiões »
, o objectivo passava, igualmente,
por assumir «uma nova abordagem da promoção interna do que é o mercado alargado».
O
presidente da TCP reconheceu ainda que o desafio para a BTL 2017 se situava numa
«estratégia
agregadora do todo nacional»,
por isso, a aposta num pavilhão dedicado aos
vários territórios da região. «Projectámos a marca em 2015, reforçámos
essa projecção em 2016 e, em 2017, levámos os territórios que estiveram bem
patentes através das Comunidades Intermunicipais que compõem o Centro de Portugal,
acreditando que, dessa forma, contribuímos para esse projecto maior, que é a
construção de produtos turísticos integrados»
, concluiu Pedro Machado.

Ricardo Busano – Diário de Coimbra