PENACOVENSES ILUSTRES – Boaventura de Sousa Santos recebe o grau de Honoris Causa na Cidade do México

0
4
Boaventura de Sousa
Santos, diretor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, recebe
a 5 de abril o grau de doutor honoris causa pela Universidad Iberoamericana
Ciudad de México, no México.
A cerimónia de entrega da
distinção está integrada no colóquio internacional “En la encrucijada del Norte y el Sur”, que decorre na capital
mexicana, no Auditório José Sanchéz Vilaseñor da Universidad Iberoamericana
Ciudad de México, entre 3 e 5 de abril. Segundo a organização, nesta iniciativa
dedicada à obra poética e ao pensamento crítico de Boaventura de Sousa Santos
procurar-se-á “reunir o trabalho de um pensador
relevante, crítico das narrativas da dominação, em diálogo com os movimentos
sociais e com intelectuais, como um contributo indispensável para a mudança do mundo
que urge promover nas sociedades da era planetária”
.
Boaventura de Sousa Santos é natural da localidade de Quintela, São Pedro de Alva, Penacova. Professor catedrático jubilado
da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Distinguished Legal Scholar
da Faculdade de Direito da Universidade de Wisconsin-Madison e Global Legal
Scholar da Universidade de Warwick. É igualmente diretor do Centro de Estudos
Sociais da Universidade de Coimbra e coordenador científico do Observatório Permanente
da Justiça Portuguesa.
Dirige o projeto de
investigação ALICE – Espelhos estranhos, lições imprevistas: definindo para a
Europa um novo modo de partilhar as experiências o mundo, um projeto fi
nanciado pelo Conselho Europeu de Investigação (ERC), um dos mais prestigiados e
competitivos financiamentos internacionais para a investigação científica de
excelência em espaço europeu
É um dos principais intelectuais de Ciências Sociais e
pesquisador de sociologia jurídica. As suas obras são dedicados ao
desenvolvimento de uma ‘sociologia das emergências’, que visa melhorar as
experiências humanas mais variadas, em oposição à ‘sociologia das ausências’,
que desperdiça experiência cultural da América Latina e outros pensamentos
fronteira.
Boaventura tem demonstrado a sua preocupação obras
publicadas: trazer a ciência para o senso comum para promover a construção de
um conhecimento verdadeiramente democrática. Ele é um defensor da ideia de que
os movimentos sociais e cívica forte são essenciais para o controle democrático
da sociedade e o estabelecimento de formas de democracia participativa.
As suas obras mais importantes são a Lei Estadual e das lutas
sociais (1991); crítica indolente da razão. Contra o Desperdício de Experiência
(2000); Democracia e Participação: O exemplo do orçamento participativo em
Porto Alegre (2004); Democratizar a democracia: Estradas de democracia
participativa (2004); e descolonização do conhecimento, reinventando o poder (2010),
entre outros.
A ética, social e crítica do seu tema de trabalho é baseada
na relevância social dos grupos de cultura e das minorias dentro dos modelos de
produção para tomar efetiva democratização do conhecimento inclusiva, que
articula a justiça, a equidade social e o desenvolvimento práticas que
desenvolvem o pluralismo contemporâneo.